Governo do Rio prorroga restrição a shows, praias e lagoas até 06 de outubro

A previsão de retorno às aulas na rede estadual de educação, inclusive nas unidades de ensino superior, continua sendo o dia 5 de outubro

Agência Brasil
19 de setembro de 2020 às 13:18 | Atualizado 19 de setembro de 2020 às 15:15

O governador em exercício Cláudio Castro prorrogou até o dia 6 de outubro algumas medidas restritivas de prevenção e enfrentamento à propagação da covid-19 no estado. De acordo com a medida, seguem suspensas a realização de eventos com a presença de público, como shows, e a permanência nas praias e lagoas.  

A previsão de retorno às aulas na rede estadual de educação, inclusive nas unidades de ensino superior, continua sendo o dia 5 de outubro. A retomada vai ocorrer em regiões que permaneçam em baixo risco de contaminação pela covid-19 por, no mínimo, duas semanas seguidas antes da data prevista para a abertura.

Leia também:
Praias, bares e transporte público lotam durante feriado no Rio de Janeiro
Sem respeitar regras, cariocas lotam praias em domingo de sol no Rio de Janeiro
Torcida será liberada no Maracanã no início de outubro

O documento publicado no Diário Oficial de ontem (18) mantém a alteração de funcionamento de bares e restaurantes, que podem continuar atendendo ao público com 50% da sua capacidade de lotação, até 1h da madrugada, mas com a proibição do consumo de bebidas alcoólicas em ambiente externo depois das 22h.

Ficam autorizados os serviços de consumo de bebidas alcoólicas apenas para clientes acomodados e sentados em mesas e cadeiras nas áreas internas e externas, respeitando o distanciamento mínimo de 1 a 2 metros. Música ao vivo e sistema de atendimento self-service continuam  suspensos.

Reboque


Pelas próximas semanas, também fica proibido, aos sábados, domingos e feriados, o estacionamento de veículos particulares em toda a orla da cidade do Rio de Janeiro. Só poderão estacionar os proprietários de carros que morem na região. A proibição se estende no Leme, na zona sul até a Praia do Pontal, no Recreio dos Bandeirantes, no outro extremo da cidade.

É obrigatório o uso de máscaras de proteção respiratória em espaços públicos, transportes públicos, estabelecimentos comerciais e repartições públicas estaduais. O decreto mantém a recomendação às prefeituras fluminenses de reabertura gradual de setores do comércio e da indústria, de acordo com as especificidades de cada cidade, em horários específicos para evitar aglomerações. Os municípios têm autonomia para manter suas determinações e regras.

Bandeira amarela


Segundo a última nota técnica e o painel de indicadores sobre a pandemia de coronavírus, entre as nove regiões em que o estado é dividido, oito estão classificadas com bandeira amarela, que indica baixo risco para a doença: Metropolitanas I e II, Baía da Ilha Grande, Médio-Paraíba, Centro-Sul, Baixada Litorânea, Noroeste e Serrana. Cerca de 94% da população fluminense encontram-se nestas regiões.

Na divulgação anterior do Mapa de Risco, realizada em 3 de setembro, duas regiões estavam classificadas com risco moderado, Baía da Ilha Grande e Noroeste. Ambas tiveram redução significativa em seus números de casos e óbitos, passando então à classificação de baixo risco.

A Região Norte Fluminense, porém, teve a classificação modificada de baixo risco para risco moderado.  No Norte, onde moram 5,5% da população do estado, houve aumento no número de óbitos, mas queda no número de casos.