Internações por Covid-19 voltam a subir no Rio e ocupação de UTIs chega a 79%

Três hospitais provisórios foram desativados; pelo menos 33 pacientes aguardam vaga para um leito de enfermaria

Isabelle Resende e Paula Martini, da CNN no Rio de Janeiro
30 de setembro de 2020 às 07:30

A taxa de ocupação dos leitos de UTI para pacientes com a Covid-19 voltou a atingir níveis preocupantes na cidade do Rio de Janeiro nas últimas semanas. O percentual de leitos de terapia intensiva ocupados na rede SUS - estadual, municipal e federal - da capital estava em 79% nesta terça-feira (30). Há dez dias, o percentual chegou a 86%. Pelo menos 33 pacientes aguardam vaga para um leito de enfermaria na capital.

De acordo com o boletim da Fiocruz, a cidade do Rio está em uma zona crítica. A flutuação na taxa de ocupação de leitos na rede SUS da capital fluminense preocupa e indica, segundo os especialistas, que a administração municipal precisa ter cautela na flexibilização das atividades.

A alta na ocupação também atinge hospitais da rede particular. A Unimed Rio informou que houve crescimento no número de internações por Covid-19. Em julho, a média de pacientes em internação era de 14 pacientes/dia. Em agosto, esse número caiu para 11.

Leia também:
Castro e Crivella discutem medidas convergentes para reabertura econômica no Rio
Rio recua em reabertura, fecha praias após aglomerações e adia volta de cinemas
Justiça nega autorização para reabertura de escolas particulares no Rio

Tratamento de paciente com coronavírus em leito de UTI
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Já em setembro, o número voltou a subir e chegou a 19 pacientes internados por dia, em média. A rede Dor informou que atualmente possui 110 pacientes internados em 14 hospitais no Rio de Janeiro.

O estado do Rio chegou a 18.388 mortes e 263.699 casos confirmados de Covid-19 nesta terça-feira. Desde segunda (28), foram registrados 97 óbitos e 1.693 casos. A média móvel de mortes foi a 84 por dia, mantendo a tendência à estabilidade (3%) pelo segundo dia seguido, na comparação com duas semanas atrás.

O maior número de casos e de mortes continua sendo registrado na capital fluminense, que soma 10.926 óbitos desde o início da pandemia.