RJ: Operação da PF mira esquema de propina para policiais em troca de proteção

Segundo a corporação, o total de recursos indevidos recebidos pelos membros do grupo é de cerca de R$ 10 milhões

Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
15 de outubro de 2020 às 07:03 | Atualizado 15 de outubro de 2020 às 10:30

Agentes da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF) cumprem nesta quinta-feira (15) 2 mandados de prisão preventiva (já cumpridos) e 33 de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro, na segunda fase da Operação Tergiversação. As autoridades apuram o pagamento de propina por empresários a policiais em troca de proteção em investigações.

Os alvos são dois delegados da PF, um delegado da Polícia Civil, sete empresários e cinco advogados, de acordo com informações do MPF. Eles estão localizados em endereços na Barra da Tijuca, Copacabana e centro da capital fluminense.

Assista e leia também:
Após apreensão de dinheiro, vice-líder do governo no Senado deve perder cargo
Operação no RJ mira grupo suspeito de furtar combustível de dutos da Petrobras
Operação do MP investiga fraudes em contratos de alimentação de presos no RJ

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal fazem operação no Rio de Janeiro
Foto: Reprodução - 15.out.2020 / CNN

Primeira fase

Na primeira fase da Operação Tergiversação, realizada em maio de 2019, os agentes desarticularam um grupo suspeito de atuar dentro da Superintendência da PF do RJ e acusado de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, organização criminosa e obstrução à Justiça.

As autoridades informaram que os suspeitos mantinham um esquema de cobrança de propina de investigados em inquéritos policiais por crimes ligados aos Correios. Na ocasião, foram denunciados os delegados Lorenzo Pompílio da Hora e Julio Rodrigues Bilharinho e o escrivão Éverton da Costa Ribeiro, lotados à época no Núcleo de Repressão a Crimes Postais da Delepat/RJ, pelo recebimento ilícito de cerca de R$ 5,5 milhões. 

Segunda fase

Nesta segunda fase, a investigação mira outros empresários e companhias que participaram do esquema de pagamento de propina a delegados e escrivão em troca de proteção nas investigações realizadas nas operações Titanium (sobre fraudes envolvendo o plano de saúde dos Correios) e Viupostalis (sobre fraudes envolvendo o Postalis, responsável pelo fundo de pensão dos Correios). As ações envolvem o pagamento de propina de cerca de R$ 4,3 milhões a mais de 11 empresários.

Também são investigados advogados que atuaram como intermediários das cobranças de vantagens indevidas dos empresários e ficavam com uma parcela dos valores pagos aos envolvidos. 

O MPF disse ainda que as investigações apontaram que o esquema não se limitou apenas às operações Titanium e Viupostalis e aos delegados da PF, abrangendo também inquéritos conduzidos por outros servidores públicos envolvidos nas atividades criminosas.

Segundo a PF, o total de recursos indevidos recebidos pelos membros do grupo é de cerca de R$ 10 milhões. 

(Com informações de Thayana Araújo e Paula Martini, da CNN, no Rio de Janeiro)

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal chegam a um dos endereços alvos da operação
Foto: Paula Martini - 15.out.2020 / CNN