Queimadas na Amazônia Legal de janeiro a outubro é a maior dos últimos 10 anos


Giovanna Bronze, da CNN, em São Paulo
18 de outubro de 2020 às 15:37
Bombeiro de brigada do Ibama combate foco de incêndio perto de Apuí (AM)

Bombeiro de brigada do Ibama combate foco de incêndio na floresta amazônica perto de Apuí (AM)

Foto: Ueslei Marcelino - 11.ago.2020/Reuters

A Amazônia Legal já teve mais queimadas no período de 1º de janeiro a 17 de outubro de 2020 do que o registrados nos últimos 10 anos, entre os meses de janeiro e outubro.

Até o sábado (17), foram identificados o total de 131.139 focos de incêndio em 2020. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que contabiliza as queimadas por meio dos focos de calor detectados pelos satélites do órgão.

O acumulado, mesmo sem ter dados do mês inteiro, é o maior desde 2011, que teve 67.084 focos ao longo dos dez meses completos. Já 2012 teve 116.408 focos de janeiro a outubro, enquanto 2013 registrou 68.306 ocorrências no mesmo período. Em 2014 foram 97.467, 2015 teve 114.646, 2016 teve 105.001, 2017 teve 125.155 e 2018 teve 78.094. 

Assista e leia também:
Amazônia Legal já teve mais queimadas em 2020 que em todo ano de 2019
Amazônia acumula neste ano o maior número de focos de incêndio desde 2010
Pantanal ultrapassa a marca de 4 milhões de hectares queimados, diz estudo

Já 2019 registrou 108.835 focos considerando o período de 1º de janeiro a 30 de outubro – no recorte até o dia 17 de outubro, tinham sido identificados 103.014 focos de incêndio.

Desta forma, 2020 já apresenta aumento de 27,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Além disso, mesmo faltando 75 dias para o fim do ano, 2020 já superou os dados acumulados de todo o ano de 2019, que teve 126.089 pontos de calor.