Amazônia acumula neste ano o maior número de focos de incêndio desde 2010

Segundo o Inpe, dados de janeiro a setembro de 2020 apontam 76.030 registros de queimadas no bioma

Giovanna Bronze, da CNN, em São Paulo
09 de outubro de 2020 às 13:12 | Atualizado 09 de outubro de 2020 às 14:49

De janeiro a setembro de 2020, o bioma da Amazônia teve 76.030 focos de incêndio detectados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Esse número é o maior para o período desde 2010 (com 102.409 casos), segundo os dados disponibilizados pela instituição.

Segundo levantamento da CNN Brasil, o total é o maior acumulado nos últimos 9 anos. O ano de 2011 registrou 30.979 focos de janeiro a setembro, enquanto 2012 teve 53.177. Já 2013 apontou 33.818. Os demais anos: 2014 (49.390 focos), 2015 (58.731), 2016 (56.793), 2017 (70.892), 2018 (46.968) e 2019 (66.749).

Leia também:
Comissão do Senado aprova pedido para Pantanal entrar no Conselho da Amazônia

Quando comparado com o ano anterior, o período em 2020 registrou aumento de 13,9%. Historicamente, o mês de setembro é o que registra mais queimadas. Segundo os dados do Inpe, o mês já chegou a ter 73.141 focos detectados, em 2007.

Queimadas em outubro na Amazônia


Nos primeiros oito dias de outubro, a Amazônia teve 5.775 focos de incêndio, segundo o Inpe. Com isso, o acumulado no ano é de 81.805.

Em 2019, o mês de outubro teve 1.831 pontos de calor registrados até o oitavo dia do mês. Quando comparado com os deste ano, 2020 teve o aumento de 215,4% em relação aos mesmos dias de 2019.