Gastos com hospitais federais no Rio têm os piores dois anos desde 2010


Leandro Resende e Iuri Corsini, da CNN, no Rio
29 de outubro de 2020 às 14:05


 

 

Os valores repassados pelo Ministério da Saúde aos seis hospitais federais do Rio de Janeiro tiveram, nos últimos dois anos, seus menores valores desde 2010. O valor total recebido por esses hospitais em 2020 foi aproximadamente 30% menor do que o que foi repassado 10 anos atrás. De janeiro a outubro de 2010, a União repassou (já com valores corrigidos pela inflação), pouco mais de R$ 792 milhões. Já neste mesmo período de 2020, o valor repassado foi de pouco mais de R$ 554 milhões. Em 2019, o repasse para as unidades hospitalares federais no estado foi de cerca de R$ 540 milhões - o pior valor dos últimos 10 anos. Os dados foram repassados à CNN pela ONG Contas Abertas.

No Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), atingido por um incêndio que deixou ao menos três pessoas mortas na última terça-feira (27), dos cerca de R$ 131 milhões recebidos pela União em 2020, apenas 1,12% foi destinado a Serviços de Brigada de Incêndio. O valor foi cerca de quatro vezes menor, por exemplo, do que os quase R$ 6 milhões destinados para Serviços de Copa e Cozinha e de Vigilância Ostensiva.

Leia também:
Câmeras de segurança do Hospital de Bonsucesso registram fogo no subsolo

Incêndio atinge hospital de Bonsucesso, no Rio de Janeiro

Incêndio atinge hospital de Bonsucesso, no Rio de Janeiro

Foto: Reprodução/CNN Brasil (27.out.2020)

De 2010 a 2020, o Hospital Federal de Bonsucesso recebeu da União cerca de R$ 1.7 bilhão. Deste valor, apenas 0,7% foi destinado a Serviços de Brigada de Incêndio. Curiosamente, o valor recebido pelo HFB para serviços de brigada de incêndio (R$ 14.272.288,79) nestes últimos 10 anos foi o maior recebido, para este fim, dentre os hospitais federais no Rio de Janeiro.

Os maiores gastos do HFB em 2020 foram com materiais hospitalares (R$ 18.622.881,21), apoio administrativo, técnico e operacional (R$ 17.895.896,35) e limpeza e conservação (R$ 17.367.823,35). Somente no HFB, que é uma unidade de alta complexidade, por mês são feitas 15 mil consultas ambulatoriais, 125 mil exames, incluindo os laboratoriais e de imagem, e 1300 internações.

O perfil da unidade é predominantemente cirúrgico. A unidade oferecia 50 serviços especializados como cirurgia de cabeça e pescoço, cirurgia geral, cardiologia, neurocirurgia, urologia, oftalmologia, entre outros. Além disso, o HFB é referência no Estado do Rio para transplante renal e no atendimento à Gestante e ao Recém-Nascido de Alto Risco.