Justiça do Rio marca audiência de julgamento do caso Flordelis

Este é o início da instrução criminal, quando serão colhidas as provas de defesa e de acusação

Iuri Corsini*, da CNN, no Rio de Janeiro
31 de outubro de 2020 às 16:45
Deputada Flordelis durante reunião na CCJ
Foto: Flordelis - 12.nov.2019 / Facebook

A juíza Nearis dos Santos Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, marcou a data para a audiência de instrução e julgamento sobre o caso da morte do pastor Anderson, intimando todos os réus e suas respectivas defesas, inclusive a deputada Flordelis, a comparecerem em juízo no dia 13 de novembro, às 13h.

Além deles, serão ouvidas, também, todas as testemunhas de acusação e de defesa. Depois de ouvir as testemunhas, os réus serão interrogados.

Leia também

Flordelis tem músicas proíbidas de tocar em rádios gospel do RJ

Flordelis: entenda o caso da deputada acusada de mandar matar o marido

Este é o início da instrução criminal, quando serão colhidas as provas de defesa e de acusação sobre o processo que apura as circunstâncias da morte de Anderson do Carmo, ocorrida em junho do ano passado.

O próximo passo será a apresentação das alegações finais do Ministério Público, do assistente de acusação e de todas as defesas dos réus. Após isso, a juíza dará sua sentença, que pode ser feita no mesmo dia.

Foram 11 denunciados na participação da morte do pastor Anderson. Destes, a única pessoa que não foi presa foi Flordelis, por gozar, ainda, de imunidade parlamentar. A deputada é apontada como a mentora do assassinato de seu marido. 

Na decisão da juíza em relação a data da audiência de instrução e julgamento, ela determinou que Flordelis seja intimada em seu endereço, em Niterói, em seu endereço funcional, em Brasília, e, devido às dificuldades de intimá-la em ocasiões anteriores, ela também poderá ser intimada via Whatsapp. 

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado a tiros dentro da própria residência no bairro de Badu, em Niterói, no dia 16 de junho de 2019.

Na ocasião, Flordelis relatou em depoimento e à imprensa que o pastor teria sido morto durante um assalto.

Segundo ela, o casal foi seguido por suspeitos em uma moto quando voltava para casa. Porém, essa versão foi rechaçada pelas investigações, que apontaram que ela planejou a morte do pastor.

(*Supervisão de Robson Santos)