Morte de homem negro gera protestos pelo país


Paulo Toledo Piza e Anna Satie, da CNN, em São Paulo
20 de novembro de 2020 às 21:03 | Atualizado 20 de novembro de 2020 às 22:16

A morte do soldador João Alberto Silveira, de 40 anos, após ser espancado por seguranças de um Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, gerou diversos protestos nesta sexta-feira (20), Dia da Consciência Negra.

A cena, em que os dois homens brancos agridem Silveira, que era negro, no estacionamento da loja, foi filmada e gerou comoção nas redes sociais.

Assista e leia também:

CEO do Carrefour: ‘As imagens são insuportáveis e não compactuamos com racismo’
Homem morto em supermercado no RS foi provavelmente asfixiado, diz delegada
'Cenas são incontestes de que houve excessos', diz governador do RS sobre morte

Foram registrados protestos em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Porto Alegre, Belo Horizonte e outras cidades.


O ato em São Paulo começou com uma marcha na Avenida Paulista. O protesto terminou em confusão quando parte do grupo invadiu o Carrefour situado na rua Pamplona, nos Jardins. Produtos, gôndolas e a fachada foram danificados.

No Rio, um grupo ocupou uma unidade na Barra da Tijuca e exigiu o encerramento das atividades. Após dialogarem com a gerência, o pedido foi acatado.

Manifestantes protestam em Porto Alegre contra morte de homem negro em supermerc
Manifestantes protestam em Porto Alegre contra morte de homem negro em supermercado
Foto: FERNANDO ALVES/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

Em Porto Alegre, manifestantes se juntaram na porta do estabelecimento do ocorrido, em Passo D'Areia, bairro da zona norte da capital gaúcha.

Com cartazes e buzinas, a aglomeração chegou a bloquear o tráfego no entorno da avenida Plínio Brasil Milano.

A Guarda Civil Municipal estima que cerca de 2.500 pessoas estavam no local.


Em Belo Horizonte, grupos foram até duas lojas da rede, um na região central e outro dentro de um shopping center.

Também houve registro de protesto em Curitiba. 

Entenda o caso

Na noite de quinta-feira (19), João Alberto Silveira foi espancado por seguranças numa loja do Carrefour em Porto Alegre. 

O serviço de emergência foi chamado, mas Silveira morreu no local. De acordo com a Polícia Militar, os envolvidos foram presos em flagrande, acusados de homicídio, e devem ser indiciados por homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil e por não darem chance de defesa à vítima. 

De acordo com informações preliminares da investigação, o homem morreu asfixiado.