Nova nuvem de gafanhotos se aproxima da fronteira com Brasil, alerta Argentina

Os insetos estariam na província de Misiones, na fronteira com as cidades brasileiras de Rincão Vermelho e Porto Xavier, no estado do Rio Grande do Sul

Luana Franzão*, da CNN, em São Paulo
30 de novembro de 2020 às 12:07 | Atualizado 01 de dezembro de 2020 às 09:35
nuvem de gafanhotos
Nuvem de gafanhotos pode chegar a cidades gaúchas e ameaçam plantações
Foto: Baz Ratner/Reuters

O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), órgão de controle do governo da Argentina, alertou as autoridades brasileiras sobre a aproximação de uma nuvem de gafanhotos nas fronteiras com o Brasil.

De acordo com o Senasa, os insetos estariam na província de Misiones, na fronteira com as cidades brasileiras de Rincão Vermelho e Porto Xavier, no estado do Rio Grande do Sul.

A espécie de gafanhoto, no entanto, não é a mesma que chamou a atenção no país em agosto. A nuvem anterior que se aproximou do sul brasileiro era da espécie Schistocerca cancelatta, que possui uma capacidade migratória maior que a da nuvem atual, que é composta por gafanhotos da espécie Chromacris speciosa.

Leia também:
Infestação de gafanhotos devora plantações na Etiópia, e ONU envia socorro
‘Cigarras zumbis’: fungo controla mente de insetos e os obriga a infectar outros
Primeira vespa assassina é capturada no estado de Washington, nos EUA

Os Chromacris são conhecidos no Brasil como gafanhotos-soldado e pertencem ao gênero Zoniopoda, que não costuma realizar grandes vôos. A menor aptidão para voar longas distâncias deve amenizar as preocupações de agricultores gaúchos. O potencial destrutivo dos gafanhotos em relação às plantações permanece alto.

Gafonhoto-soldado
O gafanhoto-soldado recebe este nome por conta das cores de sua superfície, que se assemelham à camuflagem das fardas
Foto: Wikimedia

Os gafanhotos-soldado são conhecidos por serem pragas ocasionais, ou seja, os enxames se formam esporadicamente e podem prejudicar, em especial, as plantações de alimentos como cana-de-açúcar, eucalipto e tabaco.

*sob supervisão de Leonardo Lellis