Secretário de Saúde de São Paulo explica aumento de restrições contra Covid-19

Em entrevista para a CNN, secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, explica os motivos que levaram o estado a voltar para a fase amarela

Da CNN, em São Paulo
30 de novembro de 2020 às 17:43

A segunda-feira (30) de São Paulo foi marcada pela volta de todo o estado para a fase amarela do Plano São Paulo depois do aumento de casos de Covid-19 na região.

O secretário de Saúde do Estado, Jean Gorinchteyn, falou à CNN sobre a reclassificação.

“Íamos colocar 90% da população do estado na fase verde no dia 16 de novembro, mas achávamos prudente que isso não ocorresse porque tivemos alteração no fomento de dados do Ministério da Saúde, o que afetou a inserção de dados dos nossos municípios. Tínhamos apenas o Senso Covid, da Secretaria da Saúde, que mostrava um aumento no número de internações,” disse Gorinchteyn.

Leia também

Saiba o que muda em SP com volta do estado para fase amarela

Aumento de 7% das internações motivou restrições em SP, diz secretária

PSDB diz que foi impossível conter militância em anúncio de vitória de Covas

“Naquele momento, além de não reclassificar, entramos com orientação para hospitais públicos e privados para postergar procedimentos eletivos que não implicassem risco de saúde porque precisávamos de leitos para que em nenhum momento a população ficasse desassistida em caso de boom de casos.”

Ampliação de restrições

Todo o estado de São Paulo regrediu para a fase amarela do plano de abertura da economia. A CNN Brasil antecipou nesta segunda-feira (30) a decisão tomada pelo governador João Doria (PSDB). A alteração foi realizada em função do crescimento do número de pessoas que contraíram o novo coronavírus.

"A medida não fecha comércio, bares ou restaurantes. Não fecha atividades econômicas, mas é mais restritiva para evitar aglomerações e aumento no contágio da Covid-19", disse Doria. "Essa medida não afeta a programação de volta às aulas e as escolas não serão fechadas."

Antes da mudança, 6 das 17 regiões do estado estavam na fase verde do Plano SP. As medidas restritivas têm foco em bares, restaurantes e cinemas.

Considerando os atuais critérios do governo, na Fase Amarela, salões de beleza, bares, restaurantes, academias, parques e atividades culturais (com público sentado) podem continuar abertos, mas com restrições — há, porém, a possibilidade de abrandamento das restrições.

Esses estabelecimentos comerciais, incluindo comércio de rua, shoppings centers, academias e prestadores de serviço poderão funcionar por 10 horas (na fase verde, eram 12 horas).

Outro setor que pode ser impacto é do das atividades culturais, que só são autorizados pelo governo a partir da fase verde (4).

Caso não haja uma mudança nos critérios, teatros, museus, bibliotecas e cinemas podem ser forçados a interromperem suas atividades.

O centro de contigência para a Covid-19 chegou a cogitar em regredir apenas as regiões mais críticas, mas o entendimento mudou. Está prevista até a manhã de terça uma reunião com prefeitos das regiões consideradas mais críticas: ABC Paulista, Baixada Santista e Sorocaba.

(Com Tainá Falcão e Murillo Ferrari)

(Publicado por Sinara Peixoto)