Fotógrafo retrata em imagens do alto a desigualdade social no Brasil e no mundo

Johnny Miller tem viajado o mundo e está desde outubro no Brasil para retratar a segregação social e espacial entre ricos e pobres

Raphael Coraccini, colaboração para a CNN
16 de dezembro de 2020 às 15:15
Imagem mostra a desigualdade na cidade do Guarujá, no litoral de São Paulo
Foto: Johnny Miller/Reprodução


Por vezes, as notícias que tentam dar conta do tamanho da desigualdade social falham. Números fracionados e siglas se mostram pouco eficientes em muitos casos para retratar o tamanho do problema. Dizer que o índice de Gini do Brasil ficou em 0,543 ao fim de 2019, em uma escala que vai até 1, não ilustra o tamanho do problema. 

Para tentar tornar mais claro o fenômeno, o fotógrafo baseado na África do Sul Johnny Miller teve a iniciativa de mostrar, do alto, qual a aparência dessa desigualdade que os índices tentam quantificar. 

Ele tem viajado o mundo e está desde outubro no Brasil para retratar a segregação social e espacial entre ricos e pobres. Já visitou cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O próximo destino é Salvador. 

Miller retrata do alto a paisagem da desigualdade quase sempre com drones. Parte do seu trabalho sobre o Brasil está em seu perfil no Instagram. Entre as fotos disponíveis está uma da região talvez mais emblemática da desigualdade brasileira, a “fronteira” entre os bairros de Paraisópolis e Morumbi, na zona sul de São Paulo.

Leia também:

Desigualdade no Brasil tem leve queda em 2019; Covid-19 deve reverter cenário

Desigualdade social cresce nas metrópoles brasileiras durante a pandemia

Covid-19 pode causar desigualdade social sem precedentes, diz diretora do FMI

“Os prédios ao redor do Morumbi elevam-se acima da favela e criam uma estranha dicotomia entre ricos e pobres, acima e abaixo”, comentou o fotógrafo. 

A disparidade entre os moradores dessa região foi retratada em 2004 por Tuca Vieira em uma foto que rodou o mundo e chegou a Miller. No Brasil, ele encontrou-se com o brasileiro e ambos sobrevoaram novamente a região. “Liguei para o Tuca e queria ver se ele estava disposto a voltar e ver como era agora, em 2020”, contou Miller em seu perfil. 

Imagem mostra a diferença entre a favela de Paraisópolis e o bairro do Morumbi em 2004
Foto: Johnny Miller/Reprodução

Depois de sobrevoar a região com o colega de profissão 16 anos depois da foto de Tuca, sua conclusão é a de que, estruturalmente, nada mudou, apesar de alguns itens novos na paisagem. Miller e Tuca fizeram uma nova foto do local e agora é possível ver algumas árvores e uma rua separando os dois mundos, mas a disparidade permanece intocada. 

Dezesseis anos depois, fotógrafo sul-africano refez o registro; quase nada mudou
Foto: Johnny Miller/Reprodução

O fotógrafo relata que foi acusado de simplificar a questão da desigualdade, assim como Tuca Vieira em sua célebre fotografia, e que imagens como essas acabam por reduzir países como o Brasil a um conflito entre ricos e pobres. 

“A fotografia é intrinsecamente reducionista, e não tenho certeza se a crítica é justificada”, afirmou. “Essa fotografia, embora precisa, é apenas uma imagem 3x4. Eu convido você a explorar o Brasil, se possível, por si mesmo”, instiga o fotógrafo no comentário da sua foto no Instagram. 

Desigualdade pelo mundo

O fotógrafo desenvolve seu projeto graças a bolsas de financiamento e ao apoio da ONU Habitat, agência da Organização das Nações Unidas voltada para a questão habitacional. Com isso, retratou do alto a desigualdade em países de diferentes continentes. 

O Brasil, objeto atual do olhar atento de Miller, ocupa a nona posição entre os países mais desiguais do mundo. O topo da lista pertence à África do Sul, onde o fotógrafo mora e de onde vem sua produção mais numerosa. É dele a foto que estampou a capa da revista Time sobre a condição de extrema desigualdade do país, marcado pelo Apartheid. Ele também passou por Namíbia, Tanzânia, Quênia, Índia, México, países em desenvolvimento que registram níveis alarmantes de diferenças sociais. 

Destaques do CNN Brasil Business:

Câmara aprova base do Orçamento 2021 com rombo de R$ 247 bi e mínimo de R$ 1.088

Maia diz que tentará votar texto do governo da reforma tributária semana que vem

Motoristas britânicos processam Uber na Holanda por uso de dados

Mas não são apenas os países da periferia global que entram na mira do profissional e sua câmera voadora. Os Estados Unidos também foram escolhidos por ele. 

O país mais rico do mundo tem nada menos que 40 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza, o tamanho da população do Iraque, e têm os piores índices de pobreza entre os países desenvolvidos. 

O trabalho de Johnny Miller pode ser acessado pelo site. Confira algumas imagens abaixo. 

Rio de Janeiro

Sheraton Grand Hotel e Resort, que tem custo de R$ 835 por noite, posicionado entre duas comunidades
Foto: Johnny Miller/Reprodução

São Paulo

Outro ângulo da disparidade entre Paraisópolis e Morumbi
Foto: Johnny Miller/Reprodução

Cidade do Cabo

Fotógrafo registrou a desigualdade em seu país, a África do Sul
Foto: Johnny Miller/Reprodução

Nairóbi

Miller registrou também a capital do Quênia
Foto: Johnny Miller/Reprodução