SP: MP pode autuar cidades que descumprirem medidas contra Covid, diz secretário

Secretário Estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, falou à CNN sobre restrições para conter a pandemia durante o fim de ano

Da CNN, em São Paulo
29 de dezembro de 2020 às 08:08


Secretário Estadual de Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marco Vinholi afirmou, em entrevista à CNN, que o Ministério Público pode tomar providências contra cidades que descumprirem medidas de restrição contra a Covid-19.

Na segunda-feira (28), o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), disse à CNN que a cidade não seguirá o decreto do governo estadual que coloca todo o estado na fase vermelha do Plano São Paulo, determinando que todos os comércios não essenciais fiquem fechados de 1 a 3 de janeiro de 2021. A justificativa de Barbosa é que os indicadores da pandemia da Baixada estão positivos.

"Nós temos a colaboração da grande parte dos prefeitos de São Paulo, são mais de 600 prefeitos trabalhando em conjunto e, alguns deles, com divergências, como é o caso do prefeito de Santos. O que fizemos primeiro foi o diálogo para que possam entender a importância de ter entre esses dias um isolamento maior. Estamos com números crescentes na Baixada Santista que é preocupante", disse Vinholi.

Leia também:

Baixada Santista não poderia voltar para a fase vermelha, diz prefeito de Santos
Prefeito de Santos diz que anúncio de restrições foi 'em cima da hora'
Cidades do interior de SP retomam medidas adotadas no auge da pandemia

O secretário disse que após dialogar com os prefeitos, a próxima medida é notificar os municípios desobedientes ao decreto. "Fazemos uma notificação apontando essas irregularidades e também encaminhamos para o Ministério Público, que toma as medidas cabíveis. Isso tem sido uma constante ao longo da pandemia", completou.

"A gente trabalhou há meses dessa forma e eu até entendo as colocações dele [Barbosa], mas sou obrigado, frente à uma pandemia como essa que enfrentamos, chamar a responsabilidade dos gestores. É um momento de união dos esforços, de mobilização da sociedade", concluiu o secretário de São Paulo.

(Publicado por Luiz Raatz)

Movimentação de banhistas na Praia do Gonzaga, em Santo (SP), durante a pandemia de Covid-19
Foto: Guilherme Dionízio/Estadão Conteúdo