Pelo menos três regiões de SP devem ter regras mais duras em plano de reabertura

Capital está fora da lista de municípios que devem aumentar as restrições  

Bruna Macedo, da CNN, em São Paulo
20 de janeiro de 2021 às 15:38 | Atualizado 21 de janeiro de 2021 às 07:24


 

Cidades do interior e da Grande São Paulo estão na mira do centro de contingência do novo coronavírus do governo estadual e devem sofrer e devem sofrer maiores restrições no funcionamento de estabelecimentos. O anúncio do governo deve acontecer nesta sexta-feira. 

Segundo fontes ligadas ao governo, as regiões de Bauru, Presidente Prudente e Araçatuba, que estão na fase laranja, devem retroceder à fase vermelha no plano São Paulo de reabertura. O motivo é um aumento considerável nas ocupações dos leitos de UTI. 

Algumas cidades que fazem parte dessas regiões são: Sorocaba, Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba, e Ferraz de Vasconcelos. 

Atualmente, as três regiões estão na fase 2, laranja do plano, quando o comércio está autorizado a funcionar com 40% da capacidade total, horário reduzido (8 horas) e fechamento obrigatório até às 20h. 

 

A fase vermelha determina o fechamento de shoppings, bares, comércio de rua, academias, restaurantes, concessionárias, escritórios e salões de beleza, além de impedir a a realização de eventos culturais. Nesta fase, apenas os serviços essenciais podem funcionar.

Já a fase laranja permite, com restrições, o funcionamento de todos os setores, com a exceção de bares. A capacidade de ocupação dos locais é de 40% e o horário de funcionamento permitido é de oito horas diárias. 

Na última terça-feira (19), foram registrados 15.953 casos e 331 mortes em 24 horas. Na segunda (18), foram 2.933 novos casos 42 mortes. A taxa de ocupação nos leitos de UTI em todo o estado está em 70%. Na grande São Paulo, 70,5% 

Segundo o governo de São Paulo, esses números são as principais influências para os ajustes que são feitos no plano de reabertura econômica. A medida em que a pandemia aumenta, a flexibilização diminui.