Covid-19: Quatro estados estão com mais de 90% dos leitos de UTI ocupados

Situação crítica é registrada em Rondônia (97,5%), Acre (93,3%), Roraima (92%) e Amazonas (91,9%), todos na região Norte

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
17 de fevereiro de 2021 às 13:51 | Atualizado 17 de fevereiro de 2021 às 13:52

Pelo menos quatro estados brasileiros estão com mais de 90% de seus leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados, de acordo com dados divulgados por suas Secretarias de Saúde até a manhã desta quarta-feira (17).

A situação é mais crítica é em Rondônia, que usa 97,5% de suas vagas. Depois aparecem Acre (93,3%), Roraima (92%) e Amazonas (91,9%) – os quatro localizados na região Norte.

Também está acima desse patamar a capital do Maranhão, São Luís, com 95,24% de ocupação em seus leitos de alta complexidade. No resto do estado, porém, essa taxa cai para 38,94%.

Veja como está a situação nas demais regiões brasileiras:

Sul

A taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Rio Grande do Sul está em 79,5%, com mais de duas mil pessoas internadas.

As regiões com as taxas mais preocupantes são as cidades da Região Metropolitana e o litoral Norte. Porto Alegre, por exemplo, chegou a 90,87% de ocupação em UTIs nesta quarta-feira (17).

Ainda na região Sul, tanto Paraná quanto Santa Catarina estão em situação pior do que o Rio Grande do Sul.

Isso porque 85% dos 1.226 leitos paranaenses de UTI para adultos estão ocupados. Já os catarinenses estão usando 81,5% do total de vagas disponíveis no estado.

Sudeste

No Sudeste, o estado de São Paulo registrava na tarde de terça-feira (16) 66,3% de ocupação em seus leitos de UTI – na Região Metropolitana, a taxa era de 65,2% e na capital paulista de 66%.

O estado do Rio de Janeiro, por sua vez, registrava ocupação de 59,5% de seus leitos. A situação é mais preocupante, no entanto, na capital, onde 82% das 509 vagas estavam em uso.

Minas Gerais encontrava-se com 69,58% dos leitos em uso, dos quais 33,28% eram ocupados por pacientes com confirmação ou suspeita de Covid-19.

Estado do Sudeste na melhor situação, o Espírito Santo indicou ocupação de 67,29% de seus leitos de UTI para Covid-19.

Centro-Oeste

O estado em situação mais grave no Centro-Oeste é Goiás, que está com 88,93% de suas UTIs em uso – há 33 disponíveis. A situação na capital Goiânia, no entanto, é um pouco melhor: a taxa de uso está em 66,51%, o que significa que 70 leitos estão sem uso no momento.

Depois aparece o Distrito Federal, onde 74,37% das vagas em UTIs adultas estão ocupadas. Na sequência, estão Mato Grosso do Sul, com 65%, e Mato Grosso, que usa 62,17% de suas vagas de alta complexidade.

Leitos de UTI para Covid-19 em hospitais do interior de SP (18.dez.2020)
Foto: Reprodução/CNN

Norte

Tirando os quatro estados que estão com mais de 90% de suas vagas de UTI em uso, no restante da região não está tão perto do limite operacional.

No Pará, 79,13% das vagas estão em uso. A situação é menos grave no Tocantins, onde as unidades de saúde usam 63% das vagas de UTI e no Amapá, que registra ocupação de 62,34%.

Nordeste

O estado com maior uso de leitos de UTI no Nordeste é o Ceará, com 88,89% de suas vagas ocupadas. Depois aparece Pernambuco, onde pacientes ocupam 84% da disponibilidade de UTIs.

Três estados estão com entre 70% e 80% das vagas em uso: Bahia (75%), Rio Grande do Norte (73,91%) e Piauí (72,2%).

Por fim, Alagoas usa 63% de seus leitos instalados de UTI, seguido por Paraíba (56%) e Sergipe, onde a última taxa de ocupação divulgada pelo governo do estado era de 53,9%.