Delegado: Dr. Jairinho ligou para políticos para ‘acelerar burocracia’ no IML

Vereador entrou em contato com governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), e outros políticos nas horas seguintes à morte de Henry Borel

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo, e Thayana Araújo, da CNN, no Rio de Janeiro
08 de abril de 2021 às 09:28 | Atualizado 08 de abril de 2021 às 11:54

Após a morte do menino Henry Borel, de 4 anos, em 8 de março, o vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), ligou para o governador em exercício do Rio de Janeiro, Claudio Castro (PSC) e para outras pessoas do meio político.

Dr. Jairinho e a mãe do menino, Monique Medeiros, foram presos temporariamente por 30 dias pela Polícia Civil nesta quinta-feira (8).

O objetivo das ligações no dia do crime, segundo o delegado Henrique Damasceno, responsável pelo caso, era "se garantir" e acelerar burocracias no Instituto Médico Legal (IML) da cidade.

Segundo o delegado, Jairinho queria que a tese de que a criança “passou mal, morreu e vamos enterrar logo” fosse confirmada.

Castro admitiu que recebeu uma ligação de Dr. Jairinho logo após a morte do enteado.

Em nota enviada pelo governo do estado, Castro afirmou que "limitou-se a explicar ao vereador que o assunto seria tratado pela delegacia responsável pelo inquérito e encerrou a ligação".

Após morte do enteado Henry Borel, o vereador Dr. Jairinho ligou para políticos
Após a morte do enteado Henry Borel, o vereador Dr. Jairinho ligou para políticos do Rio de Janeiro
Foto: Renan Olaz - 2.abr.2019/Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Afastamento do cargo

Com a prisão preventiva, Dr. Jairinho teve sua remuneração como vereador imediatamente suspensa e ficará formalmente afastado do mandato a partir do 31º dia, de cordo com o artigo 14 do Regimento Interno da Câmara.

Ainda na tarde desta quinta-feira (8), o Conselho de Ética da casa se reunirá para discutir a situação do político, que é membro do órgão colegiado, incluindo seu afastamento imediato do cargo.

Além disso, o Solidariedade afirmou que o politico já foi afastado do partido até a conclusão das investigações.

"Aguardamos junto às autoridades competentes a apuração dos fatos com o processo de investigação e uma posição final da Justiça”, disse o Solidariedade, em nota.