Denúncia por homicídio virá ao fim da investigação, diz promotor do Caso Henry

“Independente do novo depoimento, o inquérito está se encaminhando para seu fim e provavelmente não mudará de desfecho.”

Da CNN, em São Paulo
08 de abril de 2021 às 16:56 | Atualizado 17 de abril de 2021 às 15:44

O Ministério Público do Rio de Janeiro aguarda "alguns laudos" e deve acusar formalmente de homicídio contra Henry Borel, de quatro anos, o vereador do Rio de Janeiro Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho , e a mãe do garoto, Monique Medeiros, afirma à CNN o promotor Marcos Kac, que está cuidando do caso.

“Estamos na reta final de investigação, mas faltam alguns laudos. Quando eles forem entregues, fatalmente virá uma denúncia por homicídio,” disse Kac. “Independente do novo depoimento, o inquérito está se encaminhando para seu fim e provavelmente não mudará de desfecho.”

Dr. Jairinho e Monique Medeiros foram presos nesta quinta-feira (8).

 

O promotor ressaltou o “sofrimento da criança” durante a investigação e disse que a agressão que resultou na morte de Henry não foi um fato isolado, mas sim uma rotina.

A babá 

Uma personagem importante no caso é a babá de Henry, que no depoimento da polícia negou qualquer tipo de atritos entre Jairinho e a criança, mas que uma perícia em seu celular mostrou que ela vinha denunciando as agressões em Henry para sua mãe, Monique.

Kac disse que a babá pode ser indiciada por falso testemunho, mas que ela tem a possibilidade de se retratar para a polícia. O promotor, porém, negou que ela tenha qualquer envolvimento com o caso e relembrou que ela fez o que deveria ter feito, que foi avisar a mãe sobre as agressões sofridas pelo menino.

“Tanto a babá quanto a mãe mentiram nos depoimentos para a polícia, mas Monique não cometeu falso testemunho, a babá sim,” disse Kac. “Ela não participou em nada da morte, tem participação de menor importância no caso e até tomou as providências que entendeu ser o correto, que foi comunicar a mãe do que via." 

Momento da prisão do Dr. Jairinho
Momento da prisão do Dr. Jairinho
Foto: Reprodução/Polícia Civil