'Dr. Jairinho matou o menino e estava de malas prontas para fugir', diz promotor

Vereador e esposa são investigados por tortura e o homicídio de Henry Borel

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
08 de abril de 2021 às 23:25
Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março
Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março; padrasto e mãe falam em acidente, mas polícia investiga agressão
Foto: Reprodução/Instagram

Suspeitos de torturar e matar o menino Henry Borel, de 4 anos, o vereador do Rio de Janeiro Dr. Jairinho e a mãe da criança, Monique Medeiros, estavam de “malas prontas pra fugir”. A declaração foi dada à CNN nesta quinta-feira (8) pelo promotor de Justiça, Marcos Kac. 

De acordo com ele, duas malas de viagem foram encontradas cheias de roupa durante a diligência da Policia Civil na manhã desta quinta-feira, que decretou a prisão temporária do casal. O vereador e a esposa devem permanecer presos pelos próximos 30 dias. 

“A tentativa de fuga do casal serviu para confirmar ainda mais o que a investigação já havia apurado. Chegamos no momento certo, se não eles poderiam ter fugido”, ressaltou o promotor de Justiça. 

Marcos Kac disse que além das malas, o vereador e a esposa tentaram se livrar dos celulares no momento da abordagem. Ele explicou dois aparelhos foram jogados pela janela, mas posteriormente foram recuperados. 

O delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), também confirmou em coletiva realizada que “não resta a menor dúvida sobre a autoria do crime". Ele explicou ainda que a morte de Henry Borel aconteceu em decorrência de uma dilaceração hepática, lesões no pulmão e outros hematomas pelo corpo. 

Damasceno disse que a rotina harmoniosa da família “era uma farsa”. E frisou que Monique Medeiros sabia das agressões e optou mentir para a polícia para “proteger o assassino do próprio filho”. 

Dr. Jairinho e Monique Medeiros são investigados por tortura e o homicídio do menino Henry Borel.