Novo promotor assume temporariamente caso Marielle Franco

Promotoras que estavam no caso desde 2018 deixaram força-tarefa por receio e insatisfação com interferências externas

Por Pauline Almeida e Beatriz Puente, da CNN, do Rio de Janeiro
17 de julho de 2021 às 12:29 | Atualizado 17 de julho de 2021 às 12:37
Promotor de Justiça Bruno Gangoni
Promotor Bruno Gangoni cuidará temporariamente do caso da vereadora Marielle Franco
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

As investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes serão assumidas temporariamente pelo promotor Bruno Gangoni. O anúncio foi feito na manhã deste sábado (17) pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, uma semana após a saída das promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile, que estavam no caso desde 2018. Segundo a CNN apurou, elas deixaram a força-tarefa que apura os assassinatos sob alegação de receio e insatisfação com interferências externas.

“O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro informa que será publicado no Diário Oficial desta segunda-feira (19/07) a designação do promotor de Justiça Bruno Gangoni para atuar no acompanhamento dos processos judiciais e procedimentos extrajudiciais criminais de atribuição da força-tarefa que investiga o caso Marielle Franco e Anderson Gomes”, divulgou o MPRJ.

Bruno Gangoni é o atual coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Ele estará à frente do caso Marielle até que novos nomes sejam designados. 
A saída das promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile trouxe preocupação à família de Marielle Franco, que buscou o procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Luciano Mattos, na última quarta-feira (14). No mesmo dia, os parentes e entidades de defesa dos direitos humanos, como Anistia Internacional, lançaram um comitê para pressionar por respostas e transparência. 

 "Quero  reforçar o compromisso firme da nossa instituição de elucidar esse caso, que para nós é prioridade absoluta. Faremos o que for possível nesse sentido, utilizando de toda a nossa estrutura", pontuou Mattos após o encontro.

A irmã de Marielle, Anielle Franco, avaliou com otimismo o nome de Bruno Gangoni. “Ele já fazia parte da investigação, já acompanhava, estivemos com ele em reuniões. Ficamos com mais confiança por saber que é alguém que já estava acompanhando desde o início, acredito que ele tenha assumido até por isso. Vamos acompanhar as próximas semanas, ver se ele fica de vez ou se será apenas temporariamente mesmo”, declarou à CNN.