Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    3,5 milhões de pessoas foram afetadas pelas chuvas no RS, diz Defesa Civil

    À CNN Rádio, o subchefe da Defesa Civil do estado Coronel Marcus Vinícius Gonçalves Oliveira disse que as equipes de resposta estão a postos diante da previsão de novas chuvas

    Chuvas fortes causam mortes, estragos, enchente e deixa centenas de pessoas desabrigadas no Rio Grande do Sul. No bairro Entre-Rios, o rio Passo Fundo subiu deixando diversas casas embaixo d'água e pessoas e animais tendo que serem resgatados, na cidade de Passo Fundo
    Chuvas fortes causam mortes, estragos, enchente e deixa centenas de pessoas desabrigadas no Rio Grande do Sul. No bairro Entre-Rios, o rio Passo Fundo subiu deixando diversas casas embaixo d'água e pessoas e animais tendo que serem resgatados, na cidade de Passo Fundo DIOGO ZANATTA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

    Amanda Garciada CNN

    As fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul nos últimos dias após passagem de ciclone extratropical afetaram, direta ou indiretamente, 3,5 milhões de pessoas no estado.

    A declaração foi feita pelo subchefe da Defesa Civil estatal coronel Marcus Vinícius Gonçalves Oliveira à CNN Rádio.

    “Foram 340 mil pessoas que tiveram casas destruídas, danificadas ou invadidas pelas águas, mas, no total, são 3,5 milhões impactadas”, disse.

    Isso porque os transtornos afetaram o abastecimento de água, transporte e toda a comunidade no geral.

    Até o momento, foram 46 mortos no estado gaúcho.

    “A Defesa Civil tem trabalhado para restabelecer a rotina”, completou.

    O coronel lembrou que há previsão de fortes chuvas para esta semana e todo o Rio Grande do Sul está em alerta.

    Veja mais – Seguimos pedindo atenção a todos, previsões mudam muito rápido, diz prefeito de Lajeado

    “Estamos com equipes de resposta fortalecendo as prefeituras para aplicar o plano de contingência”, garantiu.

    O subchefe da Defesa Civil do RS ainda disse que pessoas foram retiradas preventivamente de suas casas em áreas de risco até que a água baixe no oeste do estado, onde já chove novamente.

    *Com produção de Isabel Campos