Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alckmin terá reunião sobre minas da Braskem com governador de Alagoas

    Encontro marcado para semana que vem tem como objetivo alinhar ajuda do governo federal em caso de colapso das minas

    Carolina Figueiredoda CNN

    O presidente em exercício Geraldo Alckmin (PSB) deve fazer, na próxima terça-feira (05), uma reunião com o governador de Alagoas, Paulo Dantas (MDB), para tratar da necessidade de ajuda do governo federal ao estado, caso haja o colapso previsto de uma mina da petroquímica Braskem em Maceió.

    A Defesa Civil da cidade emitiu um alerta máximo nesta quinta-feira (30) devido ao risco iminente de colapso da mina 18, na Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange, na capital alagoana.

    O ministro dos Transportes, Renan Filho, se reuniu com membros do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA) e da Defesa Civil Estadual na noite de ontem (30) para colher informações. Segundo ele, a Defesa Civil Nacional afirmou que o risco de colapso existe mas não deve haver afundamento de proporções muito grandes, que possa ultrapassar a área que foi desocupada.

    “O importante é que a área de influência dessa catástrofe foi evacuada. Algumas pessoas ainda estavam por lá, e por decisão judicial, tiveram que ser retiradas, mesmo que agora a contra gosto, e isso é fundamental porque o mais importante nesse momento é preservar vidas”, disse o ministro.

    Durante a reunião, o coordenador da Defesa Civil do Estado, coronel Moisés Melo, informou que nesta sexta-feira (1) o órgão terá uma reunião com o Ministério Público de Alagoas para solicitar que seja cobrado da Prefeitura de Maceió e da Defesa Municipal informações sobre a situação da mina.

    Segundo o governo do estado, a Polícia Federal afirmou que acionou peritos criminais para a realização de uma análise adicional da situação do Mutange.

    Risco eminente de colapso

    A Defesa Civil de Maceió emitiu, nesta quinta-feira (30), um alerta máximo devido ao risco iminente de colapso da mina da petroquímica Braskem. A área já foi desocupada e a recomendação é que a população evite transitar nesta região enquanto medidas de controle e monitoramento são aplicadas para reduzir o perigo, até nova atualização do órgão.

    Segundo o Governo de Alagoas, cinco abalos sísmicos foram registrados na região somente neste mês de novembro. O desabamento da mina pode ocasionar a formação de grandes crateras na região, além de provocar um efeito cascata em outras minas.

    Em nota, a Braskem disse que continua mobilizada e monitorando a situação da mina 18, e que os dados atuais demonstram que o movimento do solo permanece concentrado na área dessa mina.

    Ainda conforme a empresa, a área de serviço onde são executados os trabalhos de preenchimento dos poços está isolada desde a tarde de terça-feira (28), em cumprimento às ações definidas nos protocolos de segurança.

    “Desde a noite de ontem, a empresa também está apoiando a realocação emergencial dos moradores que ainda resistem em permanecer na área de desocupação. Essa realocação emergencial foi determinada judicialmente ontem, e está sendo coordenada pela Defesa Civil. A realocação preventiva de toda a área de risco foi iniciada em novembro de 2019 e 99,3% dos imóveis já estão desocupados”, completa a nota.