Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alerj começa a discutir situação de deputada apontada como “madrinha” da milícia

    Desde que foi alvo da PF, em dezembro, Lucinha foi afastada das funções parlamentares pela Justiça do Rio

    Alerj começa a discutir a situação da deputada estadual Lucia Helena Pinto de Barros, a Lucinha (PSD), apelidada de “madrinha” pela milícia da zona oeste do Rio
    Alerj começa a discutir a situação da deputada estadual Lucia Helena Pinto de Barros, a Lucinha (PSD), apelidada de “madrinha” pela milícia da zona oeste do Rio Reprodução/ Instagam

    Isabelle Salemeda CNN

    A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) começa a discutir na manhã desta sexta-feira (2) a situação da deputada estadual Lucia Helena Pinto de Barros, a Lucinha (PSD), apelidada de “madrinha” pela milícia que atua na zona oeste, liderada por Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho. 

    O assunto vai ser abordado em uma reunião a portas fechadas na Comissão de Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), em que o deputado Rodrigo Amorim (PRD) foi escolhido relator do processo. O sigilo é porque foi decretado segredo de Justiça no caso.  

    Investigações da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) apontam que a deputada estadual agia como lobista em benefício da organização criminosa de Zinho. Ela foi apontada pelos agentes como o “braço político da milícia”, com forte articulação junto aos órgãos públicos para atender os interesses do grupo. 

    Zinho era considerado o miliciano mais procurado do Rio de Janeiro. Ele, que estava foragido desde 2018 e tinha 12 mandados de prisão, se entregou à Polícia Federal (PF) na véspera do último Natal, pouco depois da operação que teve a “madrinhacomo alvo. 

    Desde que foi alvo da PF, em dezembro, Lucinha foi afastada das funções parlamentares pela Justiça do Rio. Ela também foi proibida de manter contato com determinados agentes públicos e de visitar a Alerj. 

    Nesta primeira reunião da CCJ,  a defesa de Lucinha será notificada e te prazo de 48 horas (úteis) para se manifestar por escrito.