Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após aglomerações, Prefeitura do Rio vai rediscutir acesso a bares e praias

    Leandro Resendeda CNN

    Ouvir notícia

    As cenas de aglomeração nas praias e bares do Rio de Janeiro ao longo do final de semana e do feriado desta segunda-feira (07) causaram muita preocupação na prefeitura carioca. O comitê científico da prefeitura se reúne até a próxima quarta-feira (09) para avaliar se determina medidas mais restritivas de acesso à orla e se reduz o horário de funcionamento dos bares em meio à pandemia de coronavírus. 

    A avaliação é de que as diversas multidões que se formaram pela cidade nos últimos dias tornaram necessária a rediscussão de algumas medidas de flexibilização das medidas de isolamento social em vigor na cidade desde março deste ano.

    Leia e assista também:
    Praias, bares e transporte público lotam durante feriado no Rio de Janeiro

    Rio tem sábado como menor isolamento social nas últimas três semanas

    Alt*
    Praia de Ipanema
    Foto: Foto: Jairo Nascimento/ CNN Brasil

    Entre as medidas que serão discutidas para reduzir as aglomerações estão a redução no horário de funcionamento dos bares (atualmente permitidos até 1h da manhã) e aumento da fiscalização e da vigilância nas praias, com maior participação da Polícia Militar, que é de responsabilidade do estado.

    Para o subsecretário executivo da Secretaria Municipal de Saúde do Rio, Jorge Darze, que é membro do comitê científico da prefeitura, as cenas de aglomeração causaram “muita preocupação”.

    “Se não conseguimos convencer a população a cumprir as chamadas regras de ouro, de uso de máscara, distanciamento social e álcool gel, então vamos precisar ser firmes. A prefeitura não será negligente com o que está acontecendo, vamos precisar de medidas mais duras e restritivas”, afirmou ele. 

    A decisão sobre as medidas é colegiada, ou seja, depende da avaliação de todos os membros do comitê científico. Mas, para Darze, é necessário tomar medidas mais restritivas sobre a frequência em bares e praias. “Do jeito que estamos vendo, é inaceitável. A pandemia se reduziu aqui na cidade, os leitos estão vazios, mas a crise ainda não acabou”, avalia.

    Mais Recentes da CNN