Associação pede à Justiça volta de bares e restaurantes de Belo Horizonte

Bares, restaurantes e lanchonetes ficaram fora da Fase 1 do plano de flexibilização da prefeitura

Caroline Louise, da CNN, em Belo Horizonte

Ouvir notícia

A Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) entrou na Justiça para que empresas do setor estejam autorizadas a reabrir na primeira fase de reabertura planejada pela prefeitura de Belo Horizonte, que começa nesta quinta-feira (6).Bares, restaurantes e lanchonetes ficaram fora da Fase 1 do plano de flexibilização da prefeitura.

Segundo o presidente da Abrasel, Paulo Soulmucci, somente os bares e restaurantes perdem, mensalmente, R$600 milhões na cidade e que muitas empresas já fecharam e milhares de pessoas ficaram desempregadas.

Leia mais:
Comerciantes protestam em Belo Horizonte e pedem retomada das atividades
Guarda Municipal da prefeitura de Belo Horizonte agride clientes de bar

Na terça-feira (4) o prefeito Alexandre Kalil (PSD) disse em coletiva de imprensa que o comércio estava autorizado a iniciar a primeira fase de reabertura; que inclui salões de beleza, centros comerciais, galerias, comércio de rua, shoppings e atividades na modalidade drive-in.

Segundo o prefeito, houve queda na transmissão da doença na cidade e na procura por leitos hospitalares.A capital mineira completa nesta quinta-feira (6), 140 dias com os bares e restaurantes fechados por conta de um decreto da prefeitura. Segundo a Abrasel, até o momento um de cada três estabelecimentos já fecharam as portas

Desde o dia 29 de junho apenas as atividades essenciais estão funcionando na cidade, que antes chegou a ter duas fases de reabertura gradual, sendo a primeira no dia 25 de maio e a  segunda fase no dia 8 de abril, que permitiu a reabertura de shoppings populares, lojas de bebidas, artigos esportivos e floriculturas.

As atividades foram suspensas no dia 29 de junho por conta do aumento dos números relacionados ao novo coronavírus.Segundo o boletim epidemiológico da PBH, a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados a pacientes infectados com a COVID-19 está em 85%.

Mais Recentes da CNN