Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aumento de 428% no EAD amplia acesso à educação superior, diz especialista

    À CNN Rádio, Sólon Caldas afirmou que ensino à distância é uma tendência mundial que foi acentuada pela pandemia

    Quatro das dez graduações à distância mais procuradas são da área da Saúde
    Quatro das dez graduações à distância mais procuradas são da área da Saúde Thought Catalog/Unsplash

    Amanda GarciaBel Camposda CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    Os cursos de graduação na área de saúde são os mais procurados, de acordo com o Censo da Educação Superior 2020, divulgado pelo Inep.

    Entre as dez graduações a distância mais procuradas pelos ingressantes de 2020, quatro são na área de saúde: Farmácia (com crescimento de 416%), Biomedicina (alta de 190%), Nutrição (70,5%) e Enfermagem (30,4%), segundo levantamento da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES).

    Em entrevista à CNN Rádio, no CNN Educação, o diretor presidente da ABMES, Sólon Caldas, afirmou que essa tendência é mundial e “foi acentuada durante a pandemia.”

    “Os cursos do EAD ultrapassaram o presencial em 2020, tivemos encolhimento de 13,9% nessa modalidade e aumento de 428% no ensino à distância”, disse.

    Na avaliação de Caldas, este é um avanço positivo “porque os cursos têm uma capilaridade maior, chegam onde o presencial não consegue e dão muitas oportunidades de acesso à educação superior para os menos favorecidos economicamente”.

    O especialista destacou ainda que “não existe no Brasil um curso de EAD 100%, sobretudo na área de saúde”: “As disciplinas em EAD têm parte teórica, mas com parte prática no campus, além disso, o MEC mede a qualidade periodicamente e tem muitos cursos que apresentam resultado melhor no EAD do que no presencial.”

    Para Caldas, as instituições “investiram muito em software, internet, compraram equipamentos para dar condições de ensino, mas a rede pública patinou um pouco e depende de investimento”.

    Mais Recentes da CNN