Caso Henry: Justiça tem até esta sexta-feira para converter prisão do casal

Sem decisão, Monique Medeiros e o vereador Jairinho podem ser soltos

À esquerda o vereador Dr. Jairinho, à direita Monique Medeiros com o filho Henry Borel
À esquerda o vereador Dr. Jairinho, à direita Monique Medeiros com o filho Henry Borel Foto: Montagem CNN

Jaqueline Frizon e Luiza Muttoni, da CNN no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A Justiça do Rio de Janeiro tem até o fim desta sexta-feira (7) para converter ou não a prisão temporária – de 30 dias – de Monique Medeiros e Jairo Souza Santos Jr. em preventiva. O casal e foi preso dia 8 de abril acusado da morte do menino Henry Borel, de quatro anos, filho de Monique.

O Ministério Público do Estado defende que ambos coagiram testemunhas, apagaram mensagens de celular e tentaram obstruir as investigações, e, por isso, se faz necessária a conversão da prisão.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (6), o diretor do Departamento Geral de Polícia da Capital (DGPC), delegado Antenor Lopes, não descartou a possibilidade de os dois serem levados à júri popular, mas lembrou que essa é uma decisão que cabe ao Tribunal de Justiça do Estado e pode levar cerca de um ano. 

O MP-RJ apresentou a denúncia contra Monique e o vereador Dr. Jairinho (sem partido) por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, tortura, impossibilidade de defesa da vítima), tortura, fraude processual (porque mandaram a funcionária limpar o apartamento no dia seguinte à morte de Henry mesmo sem perícia) e coação de testemunhas. 

Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março
Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março; padrasto e mãe falam em acidente, mas polícia investiga agressão
Foto: Reprodução/Instagram

Inicialmente, o casal havia sido indiciado pela Polícia Civil por homicídio duplamente qualificado, por emprego de tortura/meio cruel e incapacidade de defesa da vítima, mas o promotor responsável pelo caso considerou, também, o motivo torpe do assassinato.

“As investigações mostraram que Henry foi morto por Jairinho acreditar que a criança atrapalhava a relação do casal”, disse Marcos Kac, promotor do caso. 

Monique, enquanto mãe, foi denunciada pelo crime de homicídio por omissão, já que, segundo os promotores, tinha o dever de proteger a criança. Além disso, Monique é acusada por falsidade ideológica relativa a um episódio no dia 13 de fevereiro.

Na ocasião, ela levou Henry a um hospital e relatou que ele teria sofrido uma queda, mas mensagens recuperadas pela Polícia Civil revelaram que a babá da criança relatou à mãe que Jairinho se trancou no quarto com Henry, que saiu do cômodo alegando dores e mancando.

Até o fechamento desta matéria, o TJ e a defesa de Jairinho não se pronunciaram.

Já os advogados de Monique alegaram que “a denúncia acerta ao imputar homicídio qualificado contra Jairo Souza Santos Jr., e incorre em excesso ao afirmar que Monique tem qualquer tipo de participação. Monique é mais uma das tantas vítimas oprimidas, agredidas, e seu filho Henry a vítima fatal”.

Mais Recentes da CNN