Clínicas fazem lista de espera por vacina contra Covid-19 particular

Em vários grupos de redes sociais há alguns laboratórios e clínicas de São Paulo que já criaram listas de espera de pessoas interessadas em comprar vacinas

Por Evandro Cini e José Brito, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Apesar de ainda não ter pedido de registro para uso emergencial ou definitivo à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a vacina contra a Covid-19 Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech, já possui uma lista de espera para o imunizante. 

A CNN descobriu que uma distribuidora de medicamentos de São Paulo garante prioridade de vacinação para quem se interessar. A empresa não exige pagamento adiantado, mas deixa claro que o valor estimado para duas doses da vacina é de R$ 1.450 e que a previsão para o imunizante estar disponível é dia 30 de abril. 

Procurado pela reportagem, o distribuidor disse ainda que a clínica aceita interessados que tenham a partir de 12 anos de idade, mas não garante se a Covaxin será recomendada para essa faixa etária. 

A informação, que já está circulando em vários grupos de redes sociais e gerando dezenas de interessados, foi contestada pela Precisa Medicamentos, empresa responsável pela importação das doses do imunizante para o Brasil. 

Segundo a farmacêutica, o laboratório segue rigorosamente todas as determinações da Anvisa e, enquanto não houver aprovação da agência, não é possível determinar valores, prazos, a distribuição para clínicas particulares e muito menos uma lista de espera. 

Em nota, a  Anvisa esclarece que o produto ainda não foi submetido para avaliação e não pode se pronunciar sobre sua eficácia, indicação de públicos ou faixas etárias ou mesmo sobre previsão para sua disponibilidade. No momento, o laboratório apresentou apenas um pedido de estudo clínico no país. 

A ABCVAC (Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas) diz que cada clínica associada está atuando individualmente com a sua negociação e todos os trâmites estão sob termo de confidencialidade.

Mais Recentes da CNN