Contra-ataque ucraniano, Lei Henry Borel e mais de 23 de março

Confira o '5 Fatos Manhã', com as principais notícias do dia

Fabrizio Neitzkeda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Um possível contra-ataque do exército da Ucrânia nos arredores de Kiev e a aprovação por unanimidade da Lei Henry Borel no Senado estão entre os destaques do 5 Fatos da manhã de 23 de março.

Contra-ataque ucraniano

Organizações americanas que observam a guerra na Ucrânia identificaram um contra-ataque dos ucranianos aos russos, principalmente ao oeste da capital Kiev. Segundo o Pentágono, o número de militares da Rússia no combate está diminuindo. O principal motivo seria a logística, com os feridos não conseguindo atendimento médico das equipes que acompanham os pelotões.

Toque de recolher em Kiev

Chegou ao fim na madrugada desta quarta-feira (23), pelo horário de Brasília, o toque de recolher imposto pela prefeitura de Kiev. Depois de 35 horas de confinamento, a população está autorizada a sair de casa ou de abrigos. Ao longo deste período, a cidade registrou diversas explosões.

Crimes contra crianças

Por unanimidade, o Senado aprovou o projeto da Lei Henry Borel, que propõe o aumento de pena para crimes contra crianças e adolescentes, além de uma série de medidas protetivas e alterações no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O projeto de lei – batizada em homenagem ao pequeno Henry, de 4 anos, morto em casa pelo padrasto, o ex-vereador do Rio de Janeiro Dr. Jairinho –  segue para votação na Câmara dos Deputados.

Filiação de Alckmin

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin vai se filiar oficialmente ao PSB hoje. O acerto é mais um passo para uma provável candidatura a vice-presidente em um chapa com o ex-presidente Lula (PT) nas eleições deste ano. Segundo o analista da CNN Gustavo Uribe, PT e PSB avaliam fazer o lançamento da “dobradinha” entre Lula e Alckmin no próximo dia 9.

Internações por Covid

De acordo com dados da Secretaria de Saúde de São Paulo, o estado registrou o menor índice de novas hospitalizações por Covid-19 desde abril de 2020, no começo da pandemia. O anúncio vem apenas dois dias após o estado iniciar a campanha da quarta dose de vacinação para idosos com 80 anos ou mais.

Newsletter

Para receber as principais notícias todos os dias no seu e-mail, cadastre-se na nossa newsletter 5 Fatos em newsletter.cnnbrasil.com.br

Mais Recentes da CNN