Covid-19 teve o papel de escancarar desigualdades nos EUA, diz teólogo

Para Ronilso Pacheco, imagem que os Estados Unidos passam para o mundo é diferente da realidade do país

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Com o décimo dia de protestos contra a violência policial nos Estados Unidos, motivados pela morte de George Floyd após uso excessivo da força por policial, a CNN entrevistou o teólogo pela PUC-Rio, Ronilso Pacheco. Apresentado a números do Instituto Peterson que mostram que 74% da população negra sofreu impactos econômicos durante a pandemia e 25% deste grupo perderam seus empregos – caso de George Floyd – Pacheco diz que a Covid-19 mostrou aos Estados Unidos a desigualdade presente no país.

“A pandemia vem escancarar uma desigualdade intrínseca da estrutura econômica dos Estados Unidos, e mostra que a segregação praticada lá ainda tem seus reflexos. Os EUA é um país com desigualdades profundas e calcadas nos negros.”

Leia também

Margareth Menezes e Wilson Simoninha falam sobre protestos contra o racismo

Luciana Mello diz que momento deve ser usado para se informar sobre racismo

Kanye West doa US$ 2 milhões e financia estudos da filha de George Floyd

Ele ainda trouxe outros números sobre a desigualdade no país norte americano, e relembrou que o número de  pobres nos Estados Unidos atualmente é maior do que o número na década de 1960, quando surgiu o movimento por direitos civis.

“Se vc pensar que os EUA tem quase 140 milhões de pessoas muito pobres, o maior número desde a década de 1960 e 550 mil pessoas sem teto, você entende que a realidade é diferente da imagem que passam para os estrangeiros sobre o país.”

(Edição: Diego Freire)

Mais Recentes da CNN