Deputados aprovam fim da meia-entrada em São Paulo

Projeto de lei ainda precisa ser sancionado pelo governador João Doria

Meia-entrada era permitida para eventos artísticos, educativos e esportivos
Meia-entrada era permitida para eventos artísticos, educativos e esportivos Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Raphael Coraccinida CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou, na noite de quarta-feira (27), o projeto do deputado estadual Arthur do Val (Patriota-SP) que, na prática, acaba com a meia-entrada para estudantes no estado de São Paulo. O texto ainda precisa ser sancionado pelo governador João Doria (PSDB-SP) para começar a valer.

O projeto de lei garante que a meia-entrada em eventos educacionais, artísticos, culturais e esportivos, como museus, salas de cinema, teatros, espetáculos musicais e partidas de futebol seja cedida a todas as pessoas. Com essa mudança, a expectativa é que os organizadores e produtores dos eventos dobrem o preço integral para igualar os valores cobrados de fato e não sair perdendo.

Portanto, se um evento custa R$ 200, por exemplo, mas os estudantes pagam R$ 100, a nova lei garante que todos tenham a meia-entrada garantida e, para não sair no prejuízo, a organização do evento subirá o valor da entrada integral para R$ 400, e a meia-entrada passa a ser de R$ 200, o valor integral que era cobrado anteriormente.

“A ideia é acabar com a meia-entrada”, disse do Val. “Na prática, se todos têm, ninguém tem”, disse.

O deputado afirma que a iniciativa visa igualar “estudantes ricos” a trabalhadores. Porém, a maior parte do benefício da meia-entrada é dedicada à rede de estudantes de escolas públicas e de baixa renda. “Dados da Secretaria de Educação indicam que há 3,5 milhões de estudantes matriculados na rede estadual de ensino, com cerca de 770 mil em situação de pobreza ou extrema pobreza”, diz o governo do estado em seu site.

A líder estudantil, Bruna Brelaz, presidente da UJS (União da Juventude Socialista), disse, em suas redes sociais, que o fim da meia-entrada “pode intensificar o aumento abusivo, não havendo nenhum tipo de regularização dos preços de ingressos”.

A Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) se manifestou apontando o projeto como um retrocesso. “A meia entrada é um direito essencial para que a juventude tenha acesso a cultura e lazer. Lutamos muito para que esses espaços fossem ocupados por todos nós, e não somente a elite brasileira”.

Mais Recentes da CNN