Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Desmatamento na Amazônia em março quase triplica; trimestre é 2º pior desde 2008, aponta Imazon

    Oito dos nove estados da Amazônia Legal tiveram aumento no desmatamento no mês passado: Amazonas (30%), Pará (27%), Mato Grosso (25%), Roraima (8%), Rondônia (6%), Maranhão (3%) e Acre (1%)

    Léo LopesLaura Slobodeicovda CNN

    em São Paulo

    A área de desmatamento na Amazônia Legal no mês de março deste ano aumentou quase três vezes em relação a 2022, apontou um relatório do Imazon divulgado nesta quinta-feira (20).

    As imagens de satélite monitoradas pelo instituto detectaram uma área de desmatamento de 344 km² dividida entre os estados de Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Amapá, Pará, Rondônia, Acre, Amazonas e Roraima.

    Em março do ano passado, o índice era de 123 km² – ou seja, houve um aumento de aproximadamente 180%.

    A maioria do desmatamento foi em áreas privadas ou em estágios de posse (76%). O restante em assentamentos (19%), unidades de conservação (4%) e terras indígenas (1%).

    Monitoramento de desmatamento na Amazônia Legal feito pelo Imazon em março de 2023.
    Monitoramento de desmatamento na Amazônia Legal feito pelo Imazon em março de 2023. / Imazon

    “O desmatamento detectado em março de 2023 ocorreu no Amazonas (30%), Pará (27%), Mato Grosso (25%), Roraima (8%), Rondônia (6%), Maranhão (3%) e Acre (1%)”, afirmou o Imazon. Ou seja, oito dos nove estados da Amazônia Legal tiveram aumento no desmatamento.

    Os dados de março impulsionaram o total de área desmatada contabilizada ao longo dos três primeiros meses de 2023, garantindo o marco de segundo pior trimestre da série histórica do Imazon, iniciada em 2008.

    “Foram derrubados 867 km² nos três primeiros meses deste ano. Área que equivale à perda de quase mil campos de futebol por dia de mata nativa. Essa destruição só não foi maior do que a registrada em 2021, quando foram postos abaixo 1.185 km² de floresta de janeiro a março”, destacou o instituto.

    Série histórica do Imazon de desmatamento na Amazônia Legal no primeiro trimestre do ano.
    Série histórica do Imazon de desmatamento na Amazônia Legal no primeiro trimestre do ano. / Imazon

    O pesquisador do Imazon Carlos Souza Jr. cobrou ações do governo federal e estados para conter o avanço do desmatamento.

    “Há casos graves como o da unidade de conservação APA Triunfo do Xingu, no Pará, que perdeu uma área de floresta equivalente a 500 campos de futebol apenas em março. Será preciso também não deixar impune os casos de desmatamentos ilegais e apropriação de terras públicas”, afirmou em comunicado divulgado à imprensa.

    O Imazon também alertou que a situação mais alarmante ocorre no estado do Amazonas. Se em março do ano passado a área desmatada no estado era de 12 km², em 2023, a área é de 104 km² – uma alta de 767%, ou seja, quase nove vezes mais.

    A situação mais crítica acontece em municípios próximos à divisa com o Acre e Rondônia, a região conhecida como “Amacro”.

    “Em março, seis dos 10 assentamentos e quatro das 10 terras indígenas mais desmatados na região ficam no estado”, disse Larissa Amorim, pesquisadora do Imazon.