Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Engenheiro morre após levar soco em camarote de rodeio no interior de São Paulo

    Willian Mulezini Santana foi atingido no queixo durante a Festa do Peão de Indaiatuba

    Engenheiro Willian Mulezini Santana, de 33 anos, morreu após levar um soco em camarote de rodeio
    Engenheiro Willian Mulezini Santana, de 33 anos, morreu após levar um soco em camarote de rodeio Divulgação

    João Victor AzevedoVictor Aguiarda CNN* São Paulo

    O engenheiro Willian Mulezini Santana, de 33 anos, morreu na madrugada de sábado (5) após ser atingido por um soco no queixo na Festa do Peão em Indaiatuba, interior de São Paulo.

    O agressor, de 35 anos, foi identificado e é investigado por homicídio. A identidade não foi revelada.

    Segundo a Secretaria da Segurança Pública do estado, ambos teriam se envolvido numa confusão do lado de dentro do evento, a qual teria sido apartada pelos seguranças.

    Posteriormente, na saída do local, eles teriam se reencontrado, quando discutiram novamente, resultando no golpe que causou a morte do engenheiro.

    Veja também — Operação em Guarujá (SP): Policiais usaram câmeras em 7 das 16 mortes

    A vítima chegou a ser levada ao Hospital Augusto de Oliveira Camargo (HAOC), de Indaiatuba, mas morreu no caminho.

    Apesar de a motivação da agressão não ter sido revelada, Elizabete Mulezini, tia da vítima, relatou à CNN que, por volta de 2019, o agressor teria comprado um imóvel de Willian, mas relata que os pais desconhecem qualquer pendência que poderia ter gerado algum atrito.

    “Sei que houve um problema numa janela do imóvel, mas desconhecemos outras situações de conflito. Por isso, nossa estranheza”, disse.

    Em nota, a diretoria do Clube dos Cavaleiros, organizador da Festa do Peão de Indaiatuba, pontuou que a equipe de segurança do evento agiu prontamente no local.

    Informou ainda que os acontecimentos foram registrados pelas câmeras de segurança do evento e as imagens foram entregues à polícia.

    *Sob supervisão de Vinícius Bernardes, da CNN