‘Estaca zero’: BH decide fechar comércio novamente a partir de segunda-feira

Prefeito Alexandre Kalil afirma que decisão é necessária para conter disseminação da Covid-19 e que apenas serviços essenciais poderão abrir

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), anunciou nesta quarta-feira (6) a decisão de voltar a fechar o comércio na cidade, na intenção de conter a disseminação do novo coronavírus.

Segundo Kalil, a decisão vale a partir da próxima segunda-feira (11). Por tempo indeterminado, poderão permanecer abertos apenas os serviços considerados essenciais, como farmácias e supermercados.

“O comerciante tem que se preparar, porque sexta-feira nós estamos soltando um decreto voltando a cidade à estaca zero. São números impressionantes, houve uma importação de doença impressionante”, disse o prefeito de Belo Horizonte.

Kalil relacionou a situação da Covid-19 na cidade com as festas de finais de ano. “Temos casos em hospitais particulares de famílias inteiras que passaram o Natal juntos infectados e internados. Então, nada mais triste para mim do que vir aqui falar hoje”, seguiu.

Segundo o prefeito, todos os indicadores de monitoramento da pandemia adotados pela cidade de Belo Horizonte são consideradas no nível vermelho, o mais crítico. 

Assista e leia também:

Alexandre Kalil toma posse para segundo mandato como prefeito de Belo Horizonte

Demora na vacinação pode comprometer eficácia de imunizantes, diz biomédica

Alexandre Kalil
O candidato do PSD a prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil
Foto: ALLAN CALISTO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

 O prefeito de BH afirmou que a capital mineira está pronta para vacinar, tem a estrutura necessária, mas que precisa de colaboração da população para conseguir chegar à “praia”. “Parece que ninguém está entendendo a gravidade dessa doença”, disse Kalil.

“Segunda-feira a cidade está fechada. Eu peço desculpas, mas não tive alternativa. Não vamos fazer de Belo Horizonte um pandemônio. Nós estamos a dias da vacina”, prosseguiu. “Governar não é agradar. Governar é governar”, justificou.

Mais Recentes da CNN