Ex-presidente da Anvisa: ‘É imoral vacinação antecipada para quem tem dinheiro’

"Se a iniciativa privada quer ajudar o estado, deve fazer isso como subcontratado do estado,” disse Gonzalo Vecina

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A notícia de que clínicas privadas buscam uma maneira de importar vacinas para serem comercializadas no Brasil iniciou discussão sobre a possibilidade da iniciativa privada em iniciar a vacinação juntamente com o SUS. Em entrevista à CNN, o sanitarista e ex-presidente da Anvisa Gonzalo Vecina classificou a possibilidade como “imoral”.

Leia também

Coronavac: ‘Receberemos os dados de eficácia até o dia 7’, diz Jean Gorinchteyn

Em cenário otimista, governo avalia ‘dia D’ de vacinação em 23 de janeiro

São Paulo identifica dois casos da variante inglesa do coronavírus no Brasil

“Quem deve fornecer é quem tem a vacina e quem tem que garantir que ela chegue ao povo é o estado brasileiro. Se a iniciativa privada quer ajudar o estado, deve fazer isso como subcontratado do estado,” disse Vecina.

“Você não pode querer entregar a vacina para uma fábrica para imunizar seus trabalhadores de forma diferente da população em geral, isso é imoral no meio de uma pandemia. É um risco inaceitável para a população ter uma fila de vacinação antecipada para quem tem dinheiro”.

O professor Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa, fala à CNN
O professor Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), fala à CNN
Foto: CNN (9.set.2020)

 

Mais Recentes da CNN