Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Faustão segue internado, consciente e se recupera no quarto, afirma hospital

    Apresentador passou por transplante de rim em fevereiro

    Marcos Guedesda CNN

    São Paulo

    O apresentador Fausto Silva, o Faustão, segue internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, após ser submetido a um transplante de rim. Em nota divulgada na noite desta sexta-feira (22), o hospital informou que o apresentador respira sem a ajuda de aparelhos, está consciente e conversa normalmente.

    O hospital também informou que Faustão já se recupera em um apartamento da unidade e que vem sendo submetido a sessões de hemodiálise, aguardando a adaptação do novo órgão até a recuperação da função renal.

    No último dia 14 de março, a equipe do apresentador divulgou que o novo rim ainda não estava funcionando, de forma que Fausto Silva precisou passar por um processo de embolização para “resolver questões linfáticas”, que poderiam ser responsáveis pelo atraso.

    Em entrevista concedida à CNN, Luiza Ferrari, nefrologista da A Beneficência Portuguesa de São Paulo, explicou que um órgão antes de ser doado, é conservado em uma caixa térmica para manter a temperatura adequada e que esse pode ser um dos motivos que podem fazer um órgão transplantado funcionar.

    “A demora para o funcionamento decorre do tempo de isquemia fria. O órgão doado sofre alteração de perfusão, temperatura, pressão e o atraso é mais comum no doador falecido, pois, geralmente, esse doador estava em outro hospital e leva um tempo até o órgão ser transportado para o hospital do receptor”, explica.

    A internação se dará, segundo Ferrari, até que o órgão doado funcione adequadamente. Para receber alta, além do funcionamento adequado do rim transplantado, o paciente precisa apresentar queda do valor da creatinina em exames laboratoriais e ultrassom do novo órgão dentro da normalidade.

    “Isso pode levar, em média, de 5 a 7 dias [depois que o novo rim passa a funcionar adequadamente]”, afirma a especialista.

    (Com informações de Gabriela Maraccini)