Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fim do El Niño em junho e chegada de La Niña em julho; veja como fica o tempo

    Conforme o Inmet, junho marca o fim do fenômeno El Niño, com previsão de início do La Niña no mês seguinte

    Pessoas caminham pelas ruas inundadas enquanto os esforços de resgate continuam no bairro Menino Deus em 7 de maio de 2024 em Porto Alegre, Brasil.
    Pessoas caminham pelas ruas inundadas enquanto os esforços de resgate continuam no bairro Menino Deus em 7 de maio de 2024 em Porto Alegre, Brasil. Jefferson Bernardes/Getty Images

    Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil

    A terceira semana de junho será marcada pela ocorrência de chuvas nas regiões Norte, Nordeste e Sul, com previsões de pancadas que podem superar os 60 mm nas duas primeiras regiões e 70 mm no Sul, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Conforme o Inmet, junho marca o fim do fenômeno El Niño, com previsão de início do La Niña no mês seguinte.

    Na Região Norte, o Inmet aponta que os maiores acumulados de chuva devem ocorrer no noroeste do Amazonas, norte do Pará, Roraima, além de áreas do leste do Amapá com acumulados que podem superar 60 mm. Nas demais áreas, os volumes devem ser inferiores a 40 mm.

    Já na Região Nordeste, a previsão é de pancadas de chuva na faixa leste, que podem superar os 60 mm. Enquanto na faixa norte da região, há previsão de chuva com menores acumulados, no interior pode ocorrer tempo quente e seco.

    Em relação à região Sul, a previsão de chuvas se concentra nos estados do paraná e Santa Catarina.

    El Niño

    Caracterizado pelo aquecimento anormal das águas do oceano Pacífico na sua porção equatorial, o El Niño ocorre em intervalos irregulares de cinco a sete anos e tem duração média que varia entre um ano a um ano e meio.

    De junho de 2023 a abril de 2024, o El Niño influenciou no aumento das áreas de seca na Região Norte, que passou de fraca a extrema em algumas áreas, enquanto na Região Sul, as áreas com seca moderada a extrema desapareceram gradualmente. Na Região Nordeste ocorreram áreas com seca grave, que retrocederam a partir de março de 2024.

    O fenômeno também contribuiu ativamente para os eventos de inundação de excepcional magnitude no mês de maio, o que caracterizou o maior desastre já ocorrido no Rio Grande do Sul.

    De acordo com boletim divulgado na última quarta-feira (12), o atual padrão observado de condições de temperatura da superfície do mar do oceano Pacífico equatorial indica valores próximos da média climatológica, apontando para o fim do fenômeno El Niño e a chegada do La Niña, marcado pelo resfriamento anormal das águas do Pacífico.

    “A maioria dos modelos climáticos aponta essa condição de neutralidade, com valores de anomalia da superfície do mar inferiores a 0,5 °C. Segundo as projeções estendidas do International Research Institute for Climate and Society (IRI), há possibilidade da formação do fenômeno La Niña partir do segundo semestre — julho, agosto, setembro de 2024 — com probabilidade de 69%”, informou o instituto.

    Veja impactos do fim do El Niño em junho e chegada de La Niña em julho

    Este conteúdo foi criado originalmente em Agência Brasil.

    versão original