Gastos com hospitais federais no Rio têm os piores dois anos desde 2010

Valor total recebido por esses hospitais em 2020 foi aproximadamente 30% menor do que o que foi repassado 10 anos atrás

Ouvir notícia

 

 

Os valores repassados pelo Ministério da Saúde aos seis hospitais federais do Rio de Janeiro tiveram, nos últimos dois anos, seus menores valores desde 2010. O valor total recebido por esses hospitais em 2020 foi aproximadamente 30% menor do que o que foi repassado 10 anos atrás. De janeiro a outubro de 2010, a União repassou (já com valores corrigidos pela inflação), pouco mais de R$ 792 milhões. Já neste mesmo período de 2020, o valor repassado foi de pouco mais de R$ 554 milhões. Em 2019, o repasse para as unidades hospitalares federais no estado foi de cerca de R$ 540 milhões – o pior valor dos últimos 10 anos. Os dados foram repassados à CNN pela ONG Contas Abertas.

No Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), atingido por um incêndio que deixou ao menos três pessoas mortas na última terça-feira (27), dos cerca de R$ 131 milhões recebidos pela União em 2020, apenas 1,12% foi destinado a Serviços de Brigada de Incêndio. O valor foi cerca de quatro vezes menor, por exemplo, do que os quase R$ 6 milhões destinados para Serviços de Copa e Cozinha e de Vigilância Ostensiva.

Leia também:
Câmeras de segurança do Hospital de Bonsucesso registram fogo no subsolo

Incêndio atinge hospital de Bonsucesso, no Rio de Janeiro
Incêndio atinge hospital de Bonsucesso, no Rio de Janeiro
Foto: Reprodução/CNN Brasil (27.out.2020)

De 2010 a 2020, o Hospital Federal de Bonsucesso recebeu da União cerca de R$ 1.7 bilhão. Deste valor, apenas 0,7% foi destinado a Serviços de Brigada de Incêndio. Curiosamente, o valor recebido pelo HFB para serviços de brigada de incêndio (R$ 14.272.288,79) nestes últimos 10 anos foi o maior recebido, para este fim, dentre os hospitais federais no Rio de Janeiro.

Os maiores gastos do HFB em 2020 foram com materiais hospitalares (R$ 18.622.881,21), apoio administrativo, técnico e operacional (R$ 17.895.896,35) e limpeza e conservação (R$ 17.367.823,35). Somente no HFB, que é uma unidade de alta complexidade, por mês são feitas 15 mil consultas ambulatoriais, 125 mil exames, incluindo os laboratoriais e de imagem, e 1300 internações.

O perfil da unidade é predominantemente cirúrgico. A unidade oferecia 50 serviços especializados como cirurgia de cabeça e pescoço, cirurgia geral, cardiologia, neurocirurgia, urologia, oftalmologia, entre outros. Além disso, o HFB é referência no Estado do Rio para transplante renal e no atendimento à Gestante e ao Recém-Nascido de Alto Risco.

Mais Recentes da CNN