Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo de SP intensifica vacinação contra o sarampo

    Apenas 6,7% dos adultos de 30 a 49 anos foram imunizados

    Ouvir notícia

    A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo prorrogou, até 31 de outubro, a intensificação de vacinação contra o sarampo. O principal objetivo é aumentar a cobertura vacinal, que está em apenas 6,7% em adultos na faixa de 30 e 49 anos,

    Somente neste ano, o estado registrou 711 casos confirmados e uma morte causada pela doença. A Organização Pan-Americana de Saúde alertou para um novo surto de sarampo no Brasil. O país contabiliza mais de 7 mil casos confirmados da doença neste ano. Cinco pessoas morreram.

    À CNN, Nubia Araújo, diretora de imunização da Secretaria de Saúde do estado, explica a importância da vacina e avalia que “é inaceitável que tenhamos baixas coberturas vacinais”. 

    “Nós estamos muito acostumados com as altas coberturas vacinais e com alcance destas metas em outras campanhas de vacinação, justamente porque este é um programa de sucesso. Ele tem disponibilizado, no Sistema Único de Saúde (SUS), cerca de 19 vacinas para crianças e adolescentes. Fora outros números de vacinas que alcançam diversas faixas etárias. É realmente inaceitável que tenhamos baixas coberturas vacinais”, analisa.

    Leia também:

    Brasil tem mais de 7 mil casos de sarampo; organização alerta para novo surto

    Campanha de vacinação contra sarampo no Rio de Janeiro
    São Paulo intensifica campanha de vacinação contra sarampo
    Foto: Tânia Rêgo – 1.fev.2020/ Agência Brasil

    A vacina é do tipo tríplice viral e também imuniza contra a rubéola e a caxumba. A vacinação contra o sarampo segue o calendário normal para as outras faixas etárias.

    Para pessoas com até 29 anos, a orientação é que se tenha tomado duas doses comprovadas. Já quem tem entre 30 e 59 anos precisa ter pelo menos uma dose da tríplice viral.

    ” Vacina não é coisa apenas de criança. A pessoa que opta por não se vacinar, o principal risco que ela corre é de ter a doença que estaria imune. Além disso, a pessoa não vacinada tem o risco muito aumentado de contrair outras doenças que estavam controladas até então. Por isso a nossa preoupação de chamar a população”, finaliza. 

    (Edição: Sinara Peixoto)

    Mais Recentes da CNN