Hartung: discutir questão ambiental é obrigação de quem quer ter ‘lugar ao sol’

O ex-governador do ES é um dos signatários da carta ao vice-presidente Hamilton Mourão pedindo “fiscalização rigorosa” do desmatamento da Amazônia

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN, Paulo Hartung, presidente da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), associação que reúne a cadeia produtiva de árvores plantadas para fins industriais, falou sobre a carta enviada ao vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho Nacional da Amazônia Legal, pedindo “fiscalização rigorosa” do desmatamento da Amazônia. Para ele, discutir a questão ambiental é uma obrigação de quem quer ter “lugar ao sol” em um mundo de economia integrada.

“Questões ambientais estão postas na mesa do debate planetário e nós, brasileiros, precisamos olhar esse mundo”, afirmou Hartung, que foi governador do Espírito Santo.

Ele é um dos que assinam a carta. A manifestação da comunidade empresarial brasileira ocorreu depois que representantes de fundos de investimentos estrangeiros bilionários revelaram sua preocupação em investir no país por conta da política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

Segundo Hartung, o Brasil já agiu no passado em relação à criminalidade na Amazônia, ao desmatamento, às queimadas, às grilagens e em tantas outras ações criminosas, e foi bem-sucedido. “É de interesse do Brasil, dos brasileiros e da construção da nossa imagem”, disse.

Hartung afirmou ainda que, da parte do grupo, não há disputa política no assunto, e quem fizer isso não tem “cuca”. “É colocar energia boa em coisa inútil. Não é disso que se trata”.

Assista e leia também:

CEOs pedem a Mourão rigor na fiscalização do desmatamento da Amazônia

Governo vai proibir queimada na Amazônia por quatro meses

Após investidores estrangeiros, Mourão vai debater Amazônia com CEOs do Brasil

Questionado sobre o que acha de uma possível saída de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente, Hartung falou que esse “não é um assunto da competência dos empresários”.

“Nós temos um regime presidencialista, e o eleito tem a legitimidade para compor a sua equipe. Não nos cabe entrar em ações que nada têm a ver com nosso papel de liderança no campo empresarial. Nós estamos trabalhando em cima do interesse do país”, afirmou.

 

 

Mais Recentes da CNN