Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Homem é preso pela PF após falsa ameaça de bomba no Aeroporto de Viracopos, em Campinas

    Voo, com destino a Cascavel (PR), precisou ser reagendado; nenhum artefato explosivo foi encontrado

    Avião da Azul Linhas Aéreas.
    Avião da Azul Linhas Aéreas. 24/11/2015REUTERS/Paulo Whitaker

    Victor Aguiarda CNN*

    em São Paulo

    Um homem foi preso em flagrante pela Polícia Federal (PF) após dizer que portava uma bomba dentro de um avião no Aeroporto de Viracopos, no domingo (20).

    Segundo nota da PF, os agentes de segurança foram acionados por volta das 17h30 para atender à ocorrência, após um comissário de bordo questionar o passageiro a respeito de um pacote. O homem, então, teria respondido que se tratava de uma bomba.

    O voo AD4727, que estava programado para decolar de Campinas às 17h30 e pousar em Cascavel, no Paraná, às 19h00, foi cancelado para realização dos protocolos de segurança.

    Após o comandante da aeronave preencher um termo de desembarque compulsório e o passageiro ser retirado do avião, também foi solicitado pela PF um detector de traços explosivos, para que fosse realizada inspeção nas bagagens de mão. Nenhum artefato potencialmente perigoso foi encontrado.

    Após a PF certificar a segurança do voo, o suspeito foi encaminhado às dependências da polícia no aeroporto. Posteriormente, foi levado para a Delegacia de Campinas, por volta das 21h, onde foi autuado pelo crime de atentado à segurança do transporte aéreo. A pena para esse tipo de infração varia de 2 a 5 anos de prisão.

    Em nota, o Aeroporto de Viracopos informou que o voo foi remarcado para a noite de domingo e que os demais passageiros seguiram viagem normalmente.

    Procurada, a companhia aérea Azul, responsável pelo voo 4727, informou que precisou atrasar o voo devido a um “cliente indisciplinado”, e que lamenta os transtornos.

    Até a publicação desta reportagem, a CNN não conseguiu contato com a defesa do suspeito.

    *Sob supervisão de Vinícius Bernardes, da CNN