Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Homem que matou idoso com voadora em Santos chora durante reconstituição do crime; assista

    Tiago Gomes de Souza usou colete à prova de balas e foi vaiado por populares que acompanharam os trabalhos

    Letícia Cassianoda CNN*

    A Polícia Civil realizou na tarde de quinta-feira (13) a reconstituição do momento em que um homem de 39 anos matou um idoso de 77 com uma voadora. A encenação aconteceu em uma via pública de Santos, no litoral de São Paulo.

    Em um registro do momento é possível ver Tiago Gomes de Souza, o agressor, usando um colete à prova de balas e agentes do Grupo de Operações Especiais (GOE) e da Polícia Científica. Também há um homem em pé a poucos metros de Tiago que simula a vítima, identificado por uma camiseta verde e óculos escuros. Em volta da demarcação feita pela polícia, populares se amontoam e filmam com celulares. Assista:

    Quando o ator se posiciona no lugar da vítima, Tiago leva as mãos ao rosto e abaixa a cabeça, chorando. Nesse momento, as pessoas em volta começam a vaiar com gritos de “assassino” e outros xingamentos. Ele se abaixa ficando de cócoras e se ajoelha, então ergue as mãos pedindo desculpas para os populares em volta.

    Tiago se levanta e os agentes da polícia se dirigem a ele antes de prosseguir com a reconstituição. Quando os policiais se posicionam novamente, o investigado dá passos largos até a “vítima” e simula um chute próximo a virilha do policial. “Agora é igual a boneca, né?”, grita alguém na multidão mais de uma vez.

    Relembre o caso

    Um idoso de 77 anos, identificado como Cesar Fine Torresi, morreu após ser agredido com um golpe na região torácica, na Rua Pirajá da Silva, no bairro Aparecida, em Santos, no sábado (8).

    De acordo com a Polícia Militar, a agressão ocorreu por volta das 16h50, quando o idoso atravessava a rua com seu neto de 11 anos. O agressor, de 39 anos, desembarcou de um veículo deu o golpe no do idoso, fazendo com que caísse e batesse a cabeça no chão.

    O caso é investigado pelo 3º DP de Santos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “diligências prosseguem visando ao esclarecimento dos fatos. Demais detalhes serão preservados para garantir a autonomia dos trabalhos policiais.”

    Supervisão de André Rigue