Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Investigação muda de patamar e focará nos mandantes do assassinato de Marielle, afirma Dino

    Operação realizada pela Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira (24) prendeu o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, suspeito de participação no crime

    Lucas Schroederda CNN

    em São Paulo

    O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse nesta segunda-feira (24) que a investigação dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes mudou de patamar e terá como novo foco os mandantes do crime. As declarações foram dadas durante entrevista coletiva em Brasília.

    Na manhã de hoje, a Polícia Federal (PF) realizou operação e prendeu o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, suspeito de participação nos homicídios. A prisão foi feita a partir da delação premiada do ex-policial militar Élcio Queiroz, preso em março de 2019, acusado de dirigir o veículo usado na noite do crime.

    “A investigação agora se conclui em relação ao patamar da execução e há elementos para um novo patamar, qual seja investigação dos mandantes do crime. Naturalmente, há aspectos que ainda estão em segredo de Justiça”, declarou o ministro.

    Na delação premiada, Élcio detalhou a sua participação no crime e confirmou os papéis de Ronnie Lessa, Maxwell Simões Corrêa e outras pessoas no crime, de acordo com Dino.

    “O senhor Élcio fez uma delação premiada, essa delação foi homologada e resultou na operação de hoje. Ele revelou a participação de um terceiro indivíduo [o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa] e confirmou a participação dele próprio, do Ronnie Lessa e outras pessoas como copartícipes”, afirmou Dino.

    O ministro reiterou que as investigações continuam em aberto, e que a operação da PF e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) desta segunda-feira marca o fim de uma etapa do processo investigativo.

    “Nas próximas semanas, provavelmente haverá novas operações derivadas desse conjunto de provas colhidas hoje”, acrescentou o ministro.

    Quem é Maxwell Simões Corrêa

    Segundo apuração da CNN, a PF descobriu que Maxwell Simões Corrêa, conhecido como Suel, fazia “campana” seguindo os passados de Marielle. Ele ainda teria levado o carro utilizado na noite do crime para um desmanche.

    Maxwell é ex-bombeiro e havia sido preso em junho de 2020 numa operação relacionada às mortes da vereadora e do motorista.

    Na ocasião, ele foi preso em um condomínio de luxo no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, onde a polícia também apreendeu uma BMW modelo X6, avaliada em R$ 170 mil. Seu salário na corporação era de cerca de R$ 6 mil.

    FOTOS: Caso Marielle Franco