Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Jovem esfaqueia duas professoras no interior de SP; vítimas sobrevivem

    Caso foi registrado na noite de quarta-feira (14), quando um jovem pulou muro procurando por diretora com quem ele tinha problemas há dez anos

    Policia militar de Santa Catarina fardado de costas
    Policia militar de Santa Catarina fardado de costas Reprodução/Facebook/Polícia Militar de Santa Catarina

    Carol Raciunasda CNN

    Em São Paulo

    Na noite de quarta-feira (14), um jovem de 22 anos invadiu uma escola do interior de Ipaussu (SP) após esfaquear duas pessoas e fazer outra de refém. Conforme detalhado no Boletim de Ocorrência, a motivação do crime foi vingança contra a diretora da escola, com quem o autor do crime teve problemas há dez anos.

    A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que as vítimas de esfaqueamento foram duas professoras, uma de 26 e outra de 43 anos. A violência ocorreu por volta das 20h, quando o homem armado com uma faca pulou o muro da escola procurando pela diretora.

    Ao não a encontrar, o autor do crime feriu as duas professoras em diferentes partes do corpo, como braço e abdômen. De acordo com a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP), as servidoras atingidas foram socorridas pela equipe da escola e encaminhadas aos hospitais da região.

    Segundo os Policiais Militares responsáveis pela detenção, o autor do crime também ameaçou e agrediu, com uma arma de fogo falsa, um professor de 27 anos, que foi feito de refém com uma “gravata” sob ameaça de canivete. O homem de 22 anos liberou a vítima após uma conversa durante a abordagem policial.

    Conforme explicado pela diretora à polícia, há dez anos o homem já havia tido problemas com ela. Na época, ele traçou um plano, ameaçou funcionários e, como confessado pelo autor do crime, “pretendia realmente matar a diretora.”

    Neste episódio anterior, foram tomadas as “medidas cabíveis”, incluindo a elaboração de ocorrência de ato infracional.

    A Seduc-SP esclareceu ainda que não havia estudantes no local no momento do ocorrido e que as aulas do período matutino desta quinta-feira (15) foram suspensas.