Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lacen/RJ amplia em quase 5 vezes capacidade de testagem padrão ouro para Covid

    Novos equipamentos chegaram ao laboratório, que poderá fazer até sete mil exames tipo RT-PCR por semana

    Foto: Lacen/RJ poderá fazer até sete mil exames tipo RT-PCR por mês/CNN

    Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro 

    O Laboratório Central Noel Nutels (Lacen/RJ) ampliará em quase cinco vezes a capacidade para realização de testes RT-PCR a partir deste mês de agosto. A unidade de saúde do governo do Rio de Janeiro passará de 1,5 mil testes semanais para até sete mil, graças ao recebimento de quatro equipamentos doados pela Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública (CGLAB), do Ministério da Saúde. 

    Considerado pela Organização Mundial da Saúde padrão-ouro para diagnóstico da Covid-19 e recomendado para pacientes que manifestem sintomas da doença entre o terceiro e o quarto dias, o teste é utilizado também para detectar outros tipos de vírus, especialmente os tropicais, como Influenza A e B, dengue, zika, chikungunya. O aumento de capacidade se deve à chegada de quatro equipamentos: dois extratores automatizados e dois termocicladores. 

    Os extratores separam o material genético do vírus presente nas amostras que serão analisadas. Os termocicladores são utilizados para automatizar o processo que amplifica uma sequência de DNA ou RNA a partir de uma amostra pequena. O secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Alexandre Chieppe, entende que o aumento de capacidade de testes auxiliará no enfrentamento da pandemia no estado. 

    “Esses aparelhos são de extrema importância para o cenário epidemiológico atual. Eles vão nos permitir testar mais pessoas com agilidade e, consequentemente, chegarmos a diagnósticos mais precisos, especialmente no combate à Covid-19”, destaca.

    Diretora-geral do Lacen/RJ, Andréa Cony Cavalcanti explica que, com os novos equipamentos, o laboratório poderá oferecer resultados mais rapidamente aos pacientes que realizam testes para saber se estão ou não com a Covid-19, principal demanda de testes deste tipo durante a pandemia. 

    “São equipamentos sofisticados que ajudarão o laboratório a amplificar exames importantes, como a detecção do coronavírus. Outro fator relevante é a redução do tempo. Antes o exame PCR-SARS-Cov-2 demorava até duas horas e agora será feito em apenas 25 minutos”, afirma. 

    O Rio de Janeiro é o estado com o maior número de casos confirmados da variante Delta do coronavírus, originária da Índia: 101, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Esses números são obtidos a partir de amostras sequenciadas. No estado, esse sequenciamento fica a cargo da Rede Corona-Ômica RJ, do qual o Lacen faz parte. 

    O laboratório, no entanto, apenas envia as amostras após a coleta para RT-PCR e o diagnóstico positivo. A tarefa fica a cargo da rede parceira. Nela, o sequenciamento fica por conta da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).