Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mina se rompe sob lagoa em Maceió, diz Defesa Civil; não há registro de feridos

    Defesa Civil ressalta que a mina e todo o seu entorno estão desocupados e não há qualquer risco para as pessoas

    Mina se rompe em Maceió
    Mina se rompe em Maceió Reprodução

    Da CNN

    A Defesa Civil de Maceió disse neste domingo (10) que um rompimento pôde ser percebido num trecho da Lagoa Mundaú, bairro do Mutange.

    “Às 13h15 deste domingo a mina 18 sofreu um rompimento, que pôde ser percebido num trecho da Lagoa Mundaú, bairro do Mutange. No momento, técnicos da Defesa Civil estão monitorando o local em busca de mais informações. A Defesa Civil ressalta que a mina e todo o seu entorno estão desocupados e não há qualquer risco para as pessoas”.

    Após o incidente, o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PL), solicitou uma reunião urgente com o governador de Alagoas, Paulo Dantas, que será realizada ainda neste domingo (10) para tratar dos desdobramentos do episódio e em busca de soluções que contem com a participação do governo estadual.

    Mais cedo, o prefeito da cidade fez o anúncio do rompimento em sua página do X (antigo Twitter).

    “Às 13h15 de hoje, a mina 18 sofreu um rompimento, no trecho da lagoa próximo ao Mutange. Estarei em instantes sobrevoando a área com os nossos técnicos. A Defesa Civil de Maceió ressalta que a mina e todo o seu entorno estão desocupados e não há qualquer risco para as pessoas. Novas informações sobre o assunto estão sendo obtidas e serão compartilhadas assim que possível”, escreveu.

    Mais cedo neste domingo, a Defesa Civil soltou um comunicado alertando que o afundamento da mina n° 18 havia acelerado, indo a 12,5 cm nas últimas 24 horas.

    Risco de colapso

    No dia 29 de novembro, a prefeitura de Maceió decretou situação de emergência por risco iminente de colapso de de uma mina da petroquímica Braskem na Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange.

    Houve cinco abalos sísmicos na área no mês passado, segundo o governo alagoano. O possível desabamento poderia formar grandes crateras no local.