Marinha alerta para ressaca do mar e ventos fortes causados pelo ‘ciclone bomba’

Ondas podem chegar a quatro metros de altura nas praias

Da CNN

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN na manhã desta quinta-feira (2), o Coordenador do Serviço Meteorológico da Marinha, Daniel Peixoto alertou para os ‘resquícios’ do ‘ciclone bomba’ na região Sul. Ele explicou que, pelo mar ser mais denso do ue os ventos, é ele que leva mais tempo para se ‘acalmar’. O fenômeno também infuencia o clima em estados do Sudeste

“O que atua neste momento é que o mar é um fluido muito mais denso que o ar. Portanto, ele demora muito mais tempo para se acalmar e este processo deve durar até amanhã. Depois que os ventos se encerram é quando torna a situação mais perigosa devido a impressão de que não há mais perigo. Sendo que, na verdade, as ondas mais longas são as que chegam à costa neste momento devido a ausência de vento”, explicou.

Leia também:

‘Ciclone bomba’: fenômeno deve derrubar temperaturas em SP, diz Defesa Civil

O que é um ‘ciclone bomba’, que está causando estragos no Sul do país

 

De acordo com a Marinha, há uma divisão por grupos que auxilia no monitoramento das praias neste momento. O primeiro grupo é representado pelos navios de grande porte, em seguida, os navios de menor porte – e que checam constantemente as previsões da Marinha. Por último, as populações litorâneas que são orientadas a sair do local para que não tenha maiores riscos.

Peixoto reforçou o pedido para que as pessoas evitem o mar neste momento. Após as rajadas de vento se dissiparem, a preocupação maior é com as ondas maiores.

“A preocupação é que as pessoas evitem o mar neste momento. É esperada ressaca de 3,5 metros na costa do Rio Grande do Sul até a de Florianópolis. Em Arraial do Cabo, se espera ondas de até quatro metros. Portanto, é preciso ficar atentos aos alertas da Marinha”, alertou. 

(Edição: Sinara Peixoto)

Mais Recentes da CNN