Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Maurício Pestana: o preço do racismo

    Discriminação racial tem um custo psicológico, físico e, muitas vezes, letal para quem é vítima de agressões deste tipo

    Discriminação contra pessoas negras está presente em diversas situações
    Discriminação contra pessoas negras está presente em diversas situações Getty Images

    Maurício Pestana

    Toda semana, escrevo aqui artigos que tratam de temáticas como diversidade e inclusão. Nos últimos anos, tenho procurado destacar pontos importantes que fazem os leitores refletir a respeito desses temas na prática do dia a dia.

    Também dou dicas que visam provocar e auxiliar pessoas que, em geral, não enfrentam olhares de preconceito, racismo e discriminação, fazendo com que compreendam o quanto esses problemas incomodam e, infelizmente, são vivenciados por mais da metade da população brasileira.

    É muito difícil para pessoas “não negras” sentirem exatamente o que pessoas negras passam cotidianamente, seja no trabalho, no lazer e em relações sociais em geral.

    São situações que acontecem em diversos aspectos da vida de uma pessoa preta. Muitas vezes, a discriminação aparece na compra de um serviço/produto, em idas a restaurantes “finos” ou até mesmo em uma situação em que um homem preto vestido de terno e gravata acaba sendo confundido com o segurança local ou com guardadores de carro.

    Outras formas de discriminação sutis são quando mulheres pretas recebem elogios de seus cabelos e escutam frases típicas como essa: “nossa, seu cabelo é lindo, mas é seu mesmo?”

    Citei aqui algumas situações, mas existem dezenas delas que fazem parte do triste quadro das relações raciais que ainda permeiam a vida de milhões de pessoas neste país, que, em números absolutos, tem o maior contingente de habitantes negros fora da África.

    Essas são relações interpessoais e sociais, do ponto de vista privado, em situações lamentáveis, tristes e desgastantes em que não dá para mensurar os prejuízos psicológicos e físicos que essas circunstâncias podem causar.

    O problema é quando essa cultura racista é levada ao extremo, e também está incorporada em agentes públicos dando vazão ao racismo institucional e levando isso para dentro das estruturas do Estado, que deveria ser agente protetor de todos os cidadãos. Essas práticas discriminatórias, com cidadãos que pagam seus impostos, são inadmissíveis.

    Um fato recente e bastante relevante que viralizou nas mídias sociais e também nos veículos de imprensa ilustra bastante o que estou narrando. O inusitado ocorreu com um trabalhador negro que, ao se ver ameaçado por uma faca de um homem branco em Porto Alegre, fez o que qualquer cidadão no total gozo de sua cidadania faria: chamou uma autoridade policial para prender o seu agressor.

    Para a sua surpresa, quando a viatura policial chegou, o trabalhador negro, que já havia sido ameaçado com uma faca, foi agredido pelos policiais e levado preso na viatura policial. Ou seja, uma dupla agressão: primeiro, pelo agressor branco; depois, pelos agentes policiais.

    O que fazer em um caso desses? Qual a indenização que o Estado, responsável por garantir a segurança de seus cidadãos, deve pagar pela agressão física e psicológica de negros e negras que têm sua dignidade ferida apenas por sua cor?

    Esta é uma conta que ninguém quer fazer ou se responsabilizar, e muitos não se dão ao trabalho de discutir o assunto. Porém, é algo que, em um país onde as leis geralmente só são obedecidas quando batem no bolso, deveria ser matéria obrigatória nos nossos debates: o preço psicológico, físico e, muitas vezes, letal do racismo.