Moradores retiraram pelo menos oito corpos de mangue no RJ, segundo a polícia

Policiais e traficantes se enfrentam desde sexta-feira no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo

Beatriz PuentePauline AlmeidaThayana AraújoCarolina Figueiredoda CNN*

no Rio de Janeiro e em São Paulo

Ouvir notícia

Pelo menos oito corpos foram removidos manualmente por moradores, com auxílio de lençóis, no manguezal do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, segundo a Polícia Militar. Seis deles já foram identificados. O fim de semana foi marcado por enfrentamentos entre policiais militares e traficantes.

As remoções ocorreram entre a madrugada e manhã desta segunda-feira (22), após a morte de um policial militar, neste sábado (20).

Os militares ocuparam o Complexo do Salgueiro no sábado, após a morte do sargento Leandro da Silva, em uma ação do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). A localidade é uma das mais perigosas da segunda cidade mais populosa do Rio de Janeiro.

Uma senhora de 71 anos também foi baleada no braço esquerdo, após a morte do policial e antes que os corpos fossem encontrados no mangue. Mesmo local onde o sargento foi morto. O corpo do militar foi sepultado no domingo.

Os policiais apreenderam duas pistolas e munições, além de carregadores, uniformes camuflados e drogas. O tenente-coronel Ivan Blaz, porta-voz da Polícia Militar, destaca que tiroteios intensos entre policiais e traficantes ocorrem no local desde a última sexta-feira em áreas de mata fechada e no manguezal.

Ele disse acreditar que os criminosos tenham ficado feridos e fugido pelas rotas conhecidas do terreno – e que tenham morrido nos esconderijos.

Blaz classificou a remoção manual dos corpos no manguezal como “algo muito ruim”, com potencial para prejudicar as provas, uma vez que isso modificaria as cenas. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, a idosa baleada foi socorrida no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, e já recebeu alta.

Moradores recolhem corpos na manhã desta segunda-feira (22) no Complexo do Salgueiro, no Rio de Janeiro / José Lucena/Estadão Conteúdo

Polícia Civil faz perícia no local

Por meio de nota, a Polícia Civil informo que a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) está no Complexo do Salgueiro para realização da perícia próxima ao mangue, onde os corpos – ainda não identificados – foram encontrados.

“As equipes também realizam as primeiras diligências na região para a coleta de elementos informativos que possam ajudar a esclarecer a dinâmica dois fatos”, diz a nota.

Defensoria Pública e MP-RJ acompanham o caso

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro enviou uma equipe ao local e emitiu uma nota sobre o caso. “A Defensoria Pública aponta preocupação em não ter havido comunicação imediata por parte da Polícia Militar à Polícia Civil e ao Ministério Público da existência de corpos na comunidade. Além disso, não houve acautelamento do local, fundamental para a realização da perícia”, afirma o órgão.

“É importante ressaltar também que houve descumprimento da decisão liminar da ADPF 635, pois a operação só foi comunicada no sábado à tarde, embora tenha começado de manhã. E, segundo a liminar, a operação precisa ser justificada imediatamente ao Ministério Público”, argumenta.

“A Defensoria atendeu alguns familiares de pessoas mortas no local, oferecendo orientações jurídicas iniciais. A Defensoria está à disposição para auxiliar e atender todas as famílias, inclusive de pessoas da região que estejam desaparecidas. O telefone da Ouvidoria é 0800-282-2279”, informa ao final da nota.

Em nota enviada à CNN, o MP-RJ informou que o caso está sendo analisado pela 2ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada do Núcleo Niterói e São Gonçalo, que já está acompanhando as diligências no local e tomará as medidas cabíveis. “A operação foi regularmente comunicada pela Polícia Militar ao MPRJ.”

O estado do Rio de Janeiro está sob efeitos da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 635, que restringe a realização de operações policiais em favelas. Elas podem ocorrer, desde que em situações excepcionais, e que devem ser justificadas previamente ao órgão.

*Com informações de Iuri Corsini e Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro

Mais Recentes da CNN