Morre a escritora Lygia Fagundes Telles, acadêmica da ABL, aos 98 anos

Autora que publicou seu primeiro livro de contos em 1938 recebeu diversos prêmios, como o Jabuti e Camões

Lygia Fagundes Telles foi eleita integrante da Academia Brasileira de Letras (ABL) em outubro de 1985
Lygia Fagundes Telles foi eleita integrante da Academia Brasileira de Letras (ABL) em outubro de 1985 André Lessa/Estadão Conteúdo

Lucas RochaCarolina Figueiredoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A escritora Lygia Fagundes Telles morreu, neste domingo (3), aos 98 anos, em São Paulo. Segundo a Academia Paulista de Letras, a autora faleceu por causas naturais, em casa, na região dos Jardins, na capital paulista.

A integrante da Academia Brasileira de Letras (ABL), eleita em outubro de 1985, nasceu em São Paulo e passou a infância no interior do estado. Desde a adolescência, a vocação pela literatura teve o incentivo de amigos como os escritores Carlos Drummond de Andrade e Erico Verissimo.

Lygia publicou seu primeiro livro de contos, de nome “Porões e sobrados”, em 1938. A autora recebeu prêmios como o Jabuti e Camões, em 1977, durante a ditadura militar.

Uma das obras mais conhecidas da autora é Ciranda de Pedra, de 1954. Ainda nos anos 1950, publicou o livro Histórias do Desencontro (1958), que recebeu o Prêmio do Instituto Nacional do Livro.

O segundo romance Verão no Aquário, que recebeu o Prêmio Jabuti, foi publicado em 1963. Em parceria com o crítico de cinema Paulo Emílio Sales Gomes, com quem foi casada, ela escreveu o roteiro para cinema Capitu (1967) baseado em Dom Casmurro, de Machado de Assis.

Na década de 1970, Lygia publicou alguns de seus livros mais marcantes: Antes do Baile Verde (1970) recebeu o Primeiro Prêmio no Concurso Internacional de Escritoras, na França. O romance As Meninas (1973) recebeu os Prêmios Jabuti, Coelho Neto da Academia Brasileira de Letras e “Ficção” da Associação Paulista de Críticos de Arte. Seminário dos Ratos (1977) foi premiado pelo PEN Clube do Brasil.

O duro ofício de testemunhar um planeta enfermo nesta virada do século. Às vezes, o medo. (…) Mas o escritor precisa se ver e ver o próximo na transparência da água. Tem de vencer o medo para escrever esse medo. E resgatar a palavra através do amor, a palavra que permanece como a negação da morte

Lygia Fagundes Telles, em discurso de posse da ABL

O livro A Disciplina do Amor (1980) recebeu o Prêmio Jabuti e o Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte. Já o romance As Horas Nuas (1989) recebeu o Prêmio Pedro Nava de Melhor Livro do Ano.

Na década seguinte, foi publicada a obra A Noite Escura e Mais Eu (1995), que recebeu o Prêmio Arthur Azevedo da Biblioteca Nacional, o Prêmio Jabuti e o Prêmio APLUB de Literatura. Dez anos depois, Lygia foi contemplada com o Prêmio Camões, distinção maior em língua portuguesa pelo conjunto de obra.

Do filho Goffredo da Silva Telles Neto, do primeiro casamento de Lygia, vieram as duas netas, Margarida e Lúcia, mãe da bisneta Marina.

Luto na literatura

Nota da Academia Paulista de Letras, assinada pelo presidente José Renato Nalini, destaca Lygia como “a mais notável personalidade da literatura brasileira, patriota e democrata, já era lenda em vida”.

“Permanecerá no Panteão das glórias universais e, para orgulho nosso, era mais academicamente bandeirante. Não faltava aos nossos encontros semanais no Arouche. A gigantesca e exuberante obra continuará a ser revisitada, enquanto houver leitor no mundo”, diz a nota.

A Academia Brasileira de Letras (ABL) publicou uma homenagem de pesar no Instagram. Em nota, a ABL afirmou que Lygia “é considerada uma das grandes referências no pós-modernismo, tendo escrito obras que abordam temas diversos, como a morte, o amor, o medo e a loucura, além da fantasia”.

(Com informações de Beatriz Puente, da CNN, e da Academia Brasileira de Letras)

Mais Recentes da CNN