Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Motorista de ônibus que atropelou e matou bombeiro em Copacabana é indiciado por homicídio

    Segundo as investigações, Valdir das Mercês Junior teve a clara intenção de causar o atropelamento; Ele responderá por homicídio doloso

    Homem de 58 anos momentos antes de ser atropelado pelo ônibus no Rio de Janeiro.
    Homem de 58 anos momentos antes de ser atropelado pelo ônibus no Rio de Janeiro. Reprodução

    Cleber Rodriguesda CNN

    O motorista de ônibus Valdir das Mercês Júnior, de 29 anos, responderá por homicídio doloso – quando há intenção de matar – no caso do atropelamento do oficial do Corpo de Bombeiros Gilson Castro Silva, de 58 anos, que morreu na hora.

    O crime aconteceu na manhã do dia 1° de janeiro, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, uma das mais movimentadas da Zona Sul do Rio.

    Segundo a conclusão do inquérito da 12ª DP, em Copacabana, o acusado atropelou propositalmente.

    Júnior foi indiciado por duplamente qualificado, por motivo fútil e por recurso que tornou impossível a defesa da vítima.

    Imagens veiculadas nas redes sociais mostram que o bombeiro estava parado em frente ao ônibus, impedindo a passagem do coletivo. O motorista do ônibus acelerou, derrubou o homem e acabou arrastando a vítima.

    De acordo com a Polícia Civil, após a análise das diversas imagens obtidas pela investigação, foi possível perceber que Gilson foi arrastado por mais de 50 metros, indicando uma “clara intenção do motorista de atropelar a vítima”.

    Os policiais também verificaram que o autor mentiu em depoimento, pois afirmou que viu a vítima saindo da frente do coletivo antes de seguir viagem.

    Inicialmente, o caso havia sido registrado como homicídio culposo (sem intenção de matar). Entretanto, no dia seguinte, a polícia teve acesso às imagens e prendeu temporariamente o acusado por homicídio doloso (quando há intenção de matar).

    Além do indiciamento, a 12ª DP também pediu que a Justiça fluminense converta a prisão temporária (30 dias) em preventiva (sem tempo determinado).