Polícia de Goiás realiza perícia em parque aquático onde criança morreu

Menino de oito anos caiu de uma altura de cerca de 15 metros; segundo administração do parque, local do acidente estava isolado para manutenção

Menino de oito anos morre após cair de brinquedo em parque aquático de Goiás
Menino de oito anos morre após cair de brinquedo em parque aquático de Goiás Divulgação/DiRoma Acqua Park

Emylly Alvesda CNN*Renata Souzada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), de Caldas Novas, em Goiás, iniciou a investigação sobre a morte do menino de oito anos em um parque aquático da cidade. Nesta segunda-feira (14), a polícia realizou perícia no local do acidente.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, a criança caiu de uma altura de cerca de 15 metros, após subir em um toboágua isolado para manutenção. A vítima teria falecido em decorrência de múltiplas lesões e um traumatismo craniano seguido de afogamento.

O acidente ocorreu na tarde de domingo. Até a chegada dos bombeiros e do Samu, o menino recebeu primeiros socorros dos guarda-vidas do parque, mas não resistiu. A morte foi confirmada às 19 horas pela equipe médica do hospital para onde a criança foi levada.

De acordo com a Polícia Civil de Goiás, a primeira perícia foi realizada ainda no domingo, assim como a autópsia, seguida de liberação do corpo.

O Grupo DiRoma, responsável pelo parque aquático, afirmou que a área do brinquedo onde ocorreu o acidente estava “completamente fechada com tapume e devidamente sinalizada para reforma e melhorias”.

Ainda segundo o comunicado, todos os alvarás e licenças para funcionamento do espaço estariam em dia.

O prefeito de Caldas Novas, Kleber Marra, manifestou-se por meio de publicação nas redes sociais:

“Eu e a primeira-dama Márcia Marra, nos solidarizamos com os pais e familiares neste momento de profunda dor. Todo acolhimento está sendo prestado por nossas equipes, também consternadas pelo ocorrido. Que Deus dê o conforto necessário neste momento!”

Mais Recentes da CNN